Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

“Pensei que me fossem matar”

Ainda a tremer, a mulher que foi sequestrada e violentamente agredida por um gang, na carrinha que conduzia, ontem de madrugada no Montijo, confessou ao CM que chegou a temer o pior. "Bateram-me e torceram-me o pescoço, tanto que pensei que me fossem matar", referiu a mulher, que pediu para não ser identificada.
14 de Maio de 2011 às 00:30
Carrinha alvo do assalto era igual à Citroën (ao centro) estacionada ontem em frente do armazém da vítima
Carrinha alvo do assalto era igual à Citroën (ao centro) estacionada ontem em frente do armazém da vítima FOTO: Vítor Mota

O roubo rendeu aos quatro assaltantes uma quantia entre sete e oito mil euros em dinheiro e em tabaco. O sequestro começou na rua Eça de Queirós, no Montijo, cerca da 00h30. A empresária, 58 anos, tinha acabado de sair do café ‘da Adelaide’, no início da rua, depois de descarregar tabaco. "Um carro que estava estacionado arrancou de repente e parou à frente. Dois encapuzados saíram, e um partiu o vidro com a pistola e entrou. Bateram-me logo."

Na Citroën Jumpy seguiam dois assaltantes. Atrás, outros dois seguiam num carro escuro. Pararam em Passil, Alcochete, onde transferiram o tabaco e o dinheiro para o carro. Partiram os óculos da vítima, que pediu ajuda num armazém.

Ontem, no local do sequestro dois militares do Núcleo de Investigação Criminal da GNR do Montijo recolhiam testemunhos, apesar da investigação ser da PJ. Um deles ameaçou mesmo o repórter fotográfico do CM, dizendo que lhe "partia o rolo da máquina" – que é digital –, por ter fotografado a rua.

MONTIJO CILADA LADRÕES GANG
Ver comentários