Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Perícia trama Amor

"Não sei se tive relações sexuais com ela, mas se tive é grave... Se fiz sinto-me muito arrependido, porque não se deve fazer... é pai e filha..." Esta é apenas uma das frases de Amor Demétrio, acusado de violar a própria filha e que foi avaliado pelos peritos do Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental do Hospital de São Francisco Xavier.
19 de Dezembro de 2009 às 00:30
Amor Demétrio ouve sentença no Tribunal de Faro no dia 11 de Janeiro
Amor Demétrio ouve sentença no Tribunal de Faro no dia 11 de Janeiro FOTO: Algarvephotopress

O arguido, que já tinha sido condenado a 16 anos de cadeia por violação de prostitutas e estava em liberdade condicional na altura da violação da filha, está a ser julgado no Tribunal de Faro. As conclusões da perícia revelam que o arguido apresenta "juízo crítico e discernimento", apesar de mostrar sinais de amnésia.

Segundo os peritos, "o conjunto dos dados clínicos aponta no sentido da imputabilidade do doente". Segundo revelou ao Correio da Manhã fonte judicial, "a perícia revela que o arguido praticou os factos conscientemente". Por outro lado, sabe o CM, o exame mostra que o violador tem um quadro clínico complexo, revelando perturbação de personalidade, com características anti--sociais. A sentença será conhecida no dia 11 de Janeiro.

Amor esteve indiciado da morte de uma prostituta, em Outubro de 2008, mas o caso foi arquivado. Vai ser ainda julgado por abuso sexual de uma colega de trabalho.

Ver comentários