Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

PJ cerca empresário por espancar e violar

Acusado pela ex-namorada de sequestro, agressão e violação há um mês, em Lisboa, um gestor milionário foi agora constituído arguido pelos crimes que estão ainda em investigação.
5 de Maio de 2013 às 01:00

Na altura da queixa da jovem, o empresário milionário, ligado à gestão de uma sociedade imobiliária de renome, tinha ido em negócios ao Panamá, o que adiou a sua ida à Polícia Judiciária de Lisboa – onde já foi interrogado. Nega os crimes.

Os factos remontam ao início de abril, conforme o CM noticiou na altura. Filho de um ex--embaixador de Portugal num país europeu, o gestor manteve durante um ano uma relação com uma jovem estrangeira – que terminou o namoro em março, depois de vários episódios de violência doméstica.

O casal morava num apartamento de luxo no centro da cidade, e com a separação, a jovem regressou ao seu país, deixando vários pertences na antiga casa.

No início de abril, a vítima voltou para recuperar os bens e terá sido aí, na casa que partilhou com o ex-namorado, que este a atacou sexualmente, segundo ela. Conforme contou depois à Polícia Judiciária de Lisboa, terá sido violentamente espancada e também obrigada a ter relações sexuais com o agressor.

Depois, o empresário terá abandonado a vítima no apartamento. Em choque, a jovem chamou de imediato a polícia. Com hematomas e escoriações em todo o corpo, foi assistida no hospital e levada ao Instituto de Medicina Legal, onde foi sujeita a vários exames, essenciais para a investigação conduzida na secção da Diretoria de Lisboa da PJ que combate os crimes sexuais.

O empresário foi para já indiciado pelos crimes de que a jovem o acusa. Esta regressou ao seu país, onde aguarda desenvolvimentos do caso, nas mãos do Ministério Público.

AGRESSÃO VIOLAÇÃO ABUSOS SEXUAIS PJ LISBOA
Ver comentários