Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
5

Cinco detidos por corrupção no âmbito de investigação às obras do antigo Hospital Militar de Belém

Principal visado nas buscas da PJ é Alberto Coelho, ex-diretor de Recursos da Defesa Nacional.
Sérgio A. Vitorino e Tânia Laranjo 6 de Dezembro de 2022 às 11:56
A carregar o vídeo ...
Cinco detidos por corrupção no âmbito de investigação às obras do antigo Hospital Militar de Belém

Cinco pessoas foram detidas e 19 constituídas arguidas no âmbito de uma operação da Polícia Judiciária realizada esta terça-feira. Foram executados 59 mandados de busca - 29 buscas domiciliárias e 30 buscas não domiciliárias, com o objetivo de recolher provas relacionadas com suspeitas de práticas criminosas no exercício de funções públicas.

Ao que no CM sabe, o principal visado nas buscas é Alberto Coelho, ex-diretor de Recursos da Defesa Nacional, e o inquérito nasceu da derrapagem das obras do antigo Hospital Militar de Belém, em 2020, no âmbito do Covid-19. Estava previsto que fossem gastos 700 mil euros e a fatura subiu para 3,2 milhões.

Em comunicado, o Ministério da Defesa Nacional já confirmou a presença da Polícia Judiciária e do Ministério Público nas suas instalações e na Direção Geral de Recursos da Defesa Nacional. Em causa estão atos praticados entre 2018 e 2021.

A operação da PJ, designada "Tempestade Perfeita", decorreu em Lisboa, Porto, Alter do Chão, Almada e Comporta.

Em causa estão os crimes de corrupção ativa e passiva, peculato, participação económica em negócio, abuso de poder e branqueamento. Segundo o comunicado da PJ, tratam-se de "ilícitos relacionados com adjudicações efetuadas, por parte de Organismo da Administração Central, a diversas empresas, as quais lesaram o Estado português em muitos milhares de euros."

Segundo o comunicado, as autoridades apreenderam provas de natureza documental e digital relacionadas com os procedimentos de contratação pública em causa.

A operação contou com a participação de 200 investigadores e peritos de diversas Unidades Nacionais, Diretorias e Departamentos de Investigação Criminal da PJ, além da Unidade de Informação Financeira da PJ com apoio da Unidade de Perícia Tecnológica Informática e da Unidade de Perícia Financeira e Contabilística. Paticiparam ainda na operação um magistrado judicial e dois procuradores da República.

Os detidos serão presentes ao Tribunal de Instrução Criminal, na quarta-feira, para primeiro interrogatório judicial e aplicação de medidas de coação.



Em atualização

Ver comentários
C-Studio