Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

PJ detém homem suspeito de burlas em esquema de fraude com investimentos em mercados cambiais

Homem foi presente a primeiro interrogatório tendo sido decretada como medida de coação a prisão preventiva.
Correio da Manhã 7 de Abril de 2021 às 12:53
Polícia Judiciária
Polícia Judiciária
A Polícia Judiciária (PJ) deteve um homem, por suspeitas da prática dos crimes de burla qualificada, falsificação de documento e branqueamento, em processo crime cuja investigação corre termos no Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP), de Lisboa.

O detido, de 39 anos de idade, arquitetou um plano criminoso visando a prática de burlas de cariz internacional, nomeadamente um esquema de fraude financeira piramidal, designado de ponzi scheme

De acordo com o comunicado da PJ, o esquema fraudulento assentava na promessa da obtenção de rendibilidades bastante elevadas, cerca de 27%, para os clientes que investissem nos mercados cambiais através de um software informático, que monitorizaria o mercado cambial e decidiria qual o timing de entrada e moedas em que investir.

Por outro lado, o investimento tinha, obrigatoriamente, que ter a intervenção de um intermediário, o qual beneficiaria de uma comissão progressiva, indexada à angariação de novos investidores por parte da sua "equipa".

No decurso da investigação foi possível concluir a inexistência de qualquer investimento efetivo no mercado cambial, sendo os pagamentos parciais efetuados aos investidores oriundos da injeção de capital proveniente de novos investidores.

Através deste esquema fraudulento, a rede liderada pelo homem agora detido obteve um enriquecimento ilícito que até ao momento se contabiliza em pelo menos cinco milhões de euros, tendo provocado centenas de vítimas, praticamente em duas dezenas de países europeus.

A grande maioria dos fundos foram recebidos em contas bancárias sediadas junto de instituições financeiras portuguesas, tendo sido possível proceder à apreensão de saldos bancários de aproximadamente três milhões e meio de euros, bem como ao arresto de um imóvel de luxo, de valor superior a meio milhão de euros, avança o comunicado da PJ.

O detido foi presente a primeiro interrogatório tendo sido decretada como medida de coação a prisão preventiva.
Ver comentários