Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

PJ faz 13 detenções por assaltos armados

A Polícia Judiciária do Porto fez ontem uma operação no Bairro do Olival, em Vila Nova de Gaia, no âmbito de um processo onde se investigam assaltos à mão armada.
7 de Maio de 2008 às 00:30
 A rusga da PJ ocorreu no acampamento do Olival, em Gaia
A rusga da PJ ocorreu no acampamento do Olival, em Gaia FOTO: Imagem TVI

A investigação esteve a cargo da Secção Regional de Combate ao Banditismo da Polícia Judiciária e o processo dizia essencialmente respeito a assaltos a sucateiros na Região Norte. Há também pelo menos um caso que se refere a um assalto em que os elementos da GNR terão sido afugentados a tiro, havendo um militar que foi baleado nessa altura.

A operação de ontem contou também com a colaboração da GNR de Vila Nova de Gaia e ao fecho desta edição ainda não eram conhecidos os resultados finais da mesma. Sabia-se apenas que foram feitas buscas e que foi apreendida uma quantidade significativa de droga e material que se presume roubada.

Não se registou qualquer incidente na acção da Judiciária que se prolongou durante toda a manhã de ontem.

OCMsabe que a PJ tinha esta acção planeada há algum tempo. Estava em causa o aumento dos assaltos a sucateiros e também o roubo de cobre, com a utilização de armas de fogo. O grupo era igualmente tido como bastante violento, mostrando alguma facilidade em disparar quando era abordado.

O facto de serem da mesma família e muitos deles terem participado apenas em alguns assaltos dificultou a investigação. APJ esteve vários meses a recolher prova para agora avançar para a acção de detenção dos indivíduos.

Ainda segundo o CM apurou, alguns dos suspeitos abordados pela Judiciária já têm cadastro. Estão referenciados em situações idênticas e encontravam-se em liberdade.

Moravam num acampamento daquela freguesia de Vila Nova de Gaia e muitos familiares acorreram ontem para a porta da Polícia Judiciária para saber o que lhes iria acontecer. Hoje, vão ser ouvidos pelo juiz no Tribunal de Instrução Criminal do Porto.

Ver comentários