Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Polícias travam guerra em escolas

Forças de segurança chamadas a intervir em dois estabelecimentos de ensino devido a invasão e agressões entre alunos. Ninguém foi detido.
1 de Fevereiro de 2014 às 10:44
Alunos da Escola Básica 2, 3 de Celeirós, em Braga, envolveram-se em confrontos após um jogo de futebol
Alunos da Escola Básica 2, 3 de Celeirós, em Braga, envolveram-se em confrontos após um jogo de futebol FOTO: Eduardo Martins

Em menos de 24 horas, duas escolas viveram momentos de violência gratuita entre estudantes. Em Braga, um jogo de futebol acabou em pancadaria e com a intervenção da GNR. Em Queijas, Oeiras, 30 jovens invadiram outra escola com o objetivo de espancar uma aluna. Tudo por causa de uma troca de insultos.

As cenas de violência na EB 2, 3 de Celeirós, em Braga, começaram anteontem à noite, na sequência de um jogo de futebol entre uma turma do 9º ano e outra do curso de Educação e Formação, composta por alunos com idades dos 17 aos 19 anos. Os mais novos ganharam e foram atacados. A situação só acalmou com a intervenção de professores e funcionários.

Seis dos agressores foram imediatamente suspensos pela direção da escola, mas regressaram ontem de manhã. A cena de pancadaria voltou a rebentar, agora nos corredores de acesso às salas de aula, no intervalo das 10h00.

A GNR foi chamada ao local e acabou por identificar seis jovens e dar cumprimento à suspensão. Ninguém foi detido.

Em Queijas, Oeiras, uma troca de insultos entre uma aluna da EB 2, 3 Noronha Feio e outra jovem terminou com a invasão do estabelecimento. Tudo aconteceu pelas 13h30 de anteontem, quando um grupo de mais de 30 menores entrou de rompante no estabelecimento de ensino. Queriam encontrar a jovem, de 13 anos, para vingar as ‘bocas' proferidas horas antes.

A menor escapou sem ser encontrada e vários elementos do grupo treparam as redes para fugir à PSP. Ainda assim, 21 jovens, todos menores, foram identificados. A escola não quis avançar com procedimento criminal contra os invasores. Nenhuma das escolas quis prestar esclarecimentos ao CM.

violência oeiras braga gnr
Ver comentários