Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

Portugal apanhado na batota do ‘cartel do fogo’

Corrupção nos negócios de aluguer de aviões de combate a incêndios custou milhões ao Estado.
Pedro H. Gonçalves 29 de Agosto de 2016 às 10:28
Em Torredeita, Viseu, estiveram 148 bombeiros
Habitantes de Melres e Medas foram ameaçados
Bombeiros durante o combate a um incêndio em A-Dos-Ferreiros, Águeda
Incêndio em A-Dos-Ferreiros chegou a ter 306 operacionais, 97 meios terrestres e dois aéreos
Bombeiros num incêndio
Incêndio nas Caldas da Rainha mobilizou 174 bombeiros
Destruição em São Pedro, no Funchal
Rescaldo numa serração em Leiria
Em Torredeita, Viseu, estiveram 148 bombeiros
Habitantes de Melres e Medas foram ameaçados
Bombeiros durante o combate a um incêndio em A-Dos-Ferreiros, Águeda
Incêndio em A-Dos-Ferreiros chegou a ter 306 operacionais, 97 meios terrestres e dois aéreos
Bombeiros num incêndio
Incêndio nas Caldas da Rainha mobilizou 174 bombeiros
Destruição em São Pedro, no Funchal
Rescaldo numa serração em Leiria
Em Torredeita, Viseu, estiveram 148 bombeiros
Habitantes de Melres e Medas foram ameaçados
Bombeiros durante o combate a um incêndio em A-Dos-Ferreiros, Águeda
Incêndio em A-Dos-Ferreiros chegou a ter 306 operacionais, 97 meios terrestres e dois aéreos
Bombeiros num incêndio
Incêndio nas Caldas da Rainha mobilizou 174 bombeiros
Destruição em São Pedro, no Funchal
Rescaldo numa serração em Leiria
O Estado português gastou 3,8 milhões de euros na adjudicação de contratos com a empresa que lidera o chamado ‘cartel do fogo’. A espanhola Avialsa criou um esquema internacional para manipular os preços dos contratos de fornecimento de meios aéreos para combate a incêndios florestais.

A EMA - Empresa de Meios Aéreos celebrou pelo menos dois contratos com a Avialsa, do empresário espanhol Vicente Huerta, que está a ser julgado em Espanha por este esquema de corrupção. Ambos os contratos foram celebrados em 2012: o primeiro em fevereiro por 1,1 milhões de euros e o segundo em junho por 2,7 milhões de euros. O valor pode contudo ser mais elevado porque o cartel inclui várias outras empresas que se juntavam com outro nome para concorrer aos concursos sem levantar suspeitas.

As autoridades espanholas revelam que o esquema incluía a Avialsa e outras empresas do setor, que combinavam entre si os preços das adjudicações, criando um cartel que inflacionava os preços. A Avialsa tinha ‘tentáculos’ também em Itália e Portugal, de modo a saber quais os valores máximos de cada contrato, indo sempre a concurso por esse montante. Em Portugal, revela o ‘El Mundo’, o cartel tinha ao seu serviço um "coordenador de influências", para garantir que cobrava os preços mais elevados no aluguer dos aviões de combate aos incêndios.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)