Barra Medialivre

Correio da Manhã

Portugal
5
Siga o CM no WhatsApp e acompanhe as principais notícias da atualidade Seguir

Português internado por ter comido sushi

Homem foi tratado a uma infeção parasitária. Caso deu origem a uma investigação.
12 de Maio de 2017 às 18:41
Portugal, Portugal, Anisakis, BMJ, Joana Carmo, Departamento de Gastroenterologia do Hospital Egas Moniz, Lisboa, Japão, Espanha, saúde
Portugal, Portugal, Anisakis, BMJ, Joana Carmo, Departamento de Gastroenterologia do Hospital Egas Moniz, Lisboa, Japão, Espanha, saúde
Portugal, Portugal, Anisakis, BMJ, Joana Carmo, Departamento de Gastroenterologia do Hospital Egas Moniz, Lisboa, Japão, Espanha, saúde
Portugal, Portugal, Anisakis, BMJ, Joana Carmo, Departamento de Gastroenterologia do Hospital Egas Moniz, Lisboa, Japão, Espanha, saúde
Portugal, Portugal, Anisakis, BMJ, Joana Carmo, Departamento de Gastroenterologia do Hospital Egas Moniz, Lisboa, Japão, Espanha, saúde
Portugal, Portugal, Anisakis, BMJ, Joana Carmo, Departamento de Gastroenterologia do Hospital Egas Moniz, Lisboa, Japão, Espanha, saúde
Os médicos voltaram a alertar para os cuidados a ter com o consumo de peixe cru ou mal cozinhado, após um homem ter sido tratado em Portugal a uma infeção parasitária depois de comer 'sushi'.

O caso é relatado num artigo publicado na quinta-feira na revista médica BMJ, cuja primeira autora é a médica Joana Carmo, do Departamento de Gastroenterologia do Hospital Egas Moniz, em Lisboa.

A equipa médica portuguesa descobriu, após um exame ao estômago (endoscopia) e análises laboratoriais, que o homem, de 32 anos, que tinha comido 'sushi' e se queixava de dores fortes na barriga, vomitava e estava febril, continha na mucosa gástrica um parasita da espécie 'Anisakis', que causa a infeção conhecida pelo nome científico de 'Anisakiasis'.

A 'Anisakiasis' surge quando se consome peixe cru, como por exemplo sob a foram de 'sushi', ou mal cozinhado que está infetado com parasitas da espécie 'Anisakis', que podem contaminar salmão, arenque, bacalhau, cavala, lulas, alabote e anchovas.

A infeção parasitária pode afetar o estômago, o intestino, órgãos fora do aparelho gastrointestinal ou gerar reações alérgicas como urticária e choque anafilático.

No caso descrito na BMJ, tratou-se de uma 'Anisakiasis' gástrica, em que os sintomas (dor de barriga, náuseas e vómitos) se desenvolvem rapidamente (ao fim de uma a oito horas) após a ingestão de peixe cru.

Os médicos removeram o parasita com uma pequena rede de plástico inserida no estômago com o auxílio de um endoscópio (tubo ótico com câmara que é usado nos exames ao estômago).

Segundo os autores do artigo, a maioria das infeções por parasitas 'Anisakis' têm sido reportadas no Japão, onde é muito comum a dieta alimentar à base de peixe cru, mas estes parasitas já foram observados em peixe colocado à venda em mercados e supermercados em Espanha.

Os médicos advertem que o consumo de refeições como 'sushi' tem-se popularizado nos países ocidentais e aconselham os profissionais de saúde a estarem atentos aos sintomas de doentes que comeram peixe cru ou pouco cozinhado, como dores de barriga, náuseas, vómitos, obstrução intestinal e sangramento nas fezes, que se podem confundir com sintomas de outras patologias, como apendicite e úlceras.

Em muitas situações, o diagnóstico da 'Anisakiasis' só se consegue após uma cirurgia.

Cozinheiros de 'sushi' devidamente treinados podem detetar parasitas de 'Anisakis', uma vez que são visíveis no peixe.

Para evitar a infeção parasitária, os especialistas aconselham a cozedura do peixe a 70ºC ou o seu congelamento a -20ºC pelo menos durante três dias.
Ver comentários
C-Studio