Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

Povo defende palheiros

Os proprietários dos 44 palheiros da Costa da Caparica (Almada) ameaçados de demolição admitem, por uma questão de salvaguarda e preservação daquele que dizem ser "parte do património cultural português", ponderar o recuo e reagrupamento destas construções.
14 de Março de 2011 às 00:30
44 palheiros, dois deles habitações, estão em risco de demolição
44 palheiros, dois deles habitações, estão em risco de demolição FOTO: Diogo Pinto

Em 2010, os proprietários dos palheiros, situados na zona dunar entre as praias da Saúde e da Mata, foram notificados pela Sociedade Costa Polis para que abandonassem as casas para se proceder à sua demolição, no âmbito de um projecto de revitalização da Costa da Caparica, que passa pela melhoria dos acessos à praia.

Ontem, cerca de 50 pessoas – entre proprietários dos palheiros e cidadãos – reuniram-se com investigadores da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, a quem foi encomendado um estudo sobre o valor patrimonial e cultural dos imóveis, e apresentaram algumas propostas em defesa dos palheiros.

José Carlos Ferreira, um dos investigadores da Universidade Nova, alertou para os riscos da construção em zonas próximas do mar e para a vulnerabilidade das dunas, sublinhando que, de acordo com o Plano de Ordenamento da Orla Costeira, "as casas não podem ser mantidas em domínio hídrico".

A plateia reagiu e, em defesa das típicas casas da Costa da Caparica, que estão naquele local há mais de 60 anos, foram apresentadas algumas propostas. "É um património de importância para a cultura portuguesa e o esforço que tem de ser feito é o de reabilitar as edificações, de acordo com o contexto em que elas se situam", propôs João Serrano, coordenador do projecto de candidatura da cultura Avieira a património nacional. Aproveitar as casas para uso público, como por exemplo restaurantes, lojas ou alojamento para promoção do turismo no concelho, foi outra ideia apresentada.

O parecer técnico dos investigadores da Universidade Nova sobre o valor patrimonial dos palheiros estará concluído em Abril.

PALHEIROS ALMADA PROJECTO COSTA DA CAPARICA
Ver comentários