Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

Pressa provocou a derrocada fatal

A retirada de terras junto às fundações do prédio contíguo, sem que tenham sido estabilizadas as bases de apoios dos alicerces nem escoradas as velhas paredes laterais – de forma a acelerar a obra –, poderão ter estado na origem da derrocada que na segunda-feira provocou a morte a três operários da construção civil que trabalhavam na reconstrução de um edifício na rua dos Chãos, no centro da cidade de Braga.
10 de Setembro de 2008 às 00:30
Os escombros da derrocada do prédio devoluto não puderam ser retirados, aguarda-se o plano de segurança. A rua só está aberta a peões
Os escombros da derrocada do prédio devoluto não puderam ser retirados, aguarda-se o plano de segurança. A rua só está aberta a peões FOTO: Sérgio Freitas

Os inspectores da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) estiveram ontem no local do acidente, mas optaram por não prosseguir a vistoria devido ao elevado risco de derrocada das fachadas dos edifícios envolvidos, já que apresentam fissuras extensas, supostamente provocadas pelo impacto do desabamento.

O advogado da empresa que fazia as obras, João Magalhães, declina responsabilidades no que toca às causas do desabamento, considerando ter"indícios" da elevada degradaçãodo edifício contíguo, onde  funcionava o talho-mercado Brazuca.

No entanto, as indicações preliminares apontam para intervenções que puseram em causa a estabilidade das paredes velhas do prédio contíguo – onde várias vistorias técnicas, suscitadas por queixas de moradores, terão eliminado o risco iminente de ruína.

A construção de um muro de contenção ao nível do solo – que João Magalhães disse não ser obrigatório neste tipo de obra em Braga, ao contrário de outros municípios – revelou-se insuficiente face à retirada de terras abaixo dos alicerces do prédio contíguo.

"Nestes casos é necessário efectuar os trabalhos em valas estreitas e reforçar a zona com betão, em intervalos máximos de 50 centímetros", explicou ao CM um inspector de construção, frisando que o prédio derrocado é "antigo e a estrutura não está preparada para se segurar por partes. Daí que quando a base de apoio não aguentou toda a parede ruiu".

ABUNDÂNCIA DE PRÉDIOS DEVOLUTOS

A degradação de edifícios na rua dos Chãos foi precisamente um dos problemas levantados pelo presidente da Junta de Freguesia de São João do Souto na última reunião de trabalho com o presidente da Câmara de Braga com as freguesias da cidade. O Bloco de Esquerda veio ontem denunciar também a abundância de prédios devolutos na zona e reclamou uma atitude preventiva por parte da Câmara, condenando as posições de Mesquita Machado e da autarquia, distanciando-se do acidente e "como se tudo se tivesse passado num qualquer outro município". O BE considera a autarquia "politicamente responsável pelo trágico acidente" e reclama o agravamento do IMI para prédios devolutos como primeira medida de um plano de reabilitação dos imóveis degradados.

ENG.º VIZINHO DENUNCIA HAVER "FACILITISMO"

Engenheiro civil a trabalhar numa empresa de construção, João Mota foi obrigado a deixar o seu apartamento, situado junto ao prédio que ruiu. Garante que a sua casa está em segurança e quer regressar. Já as obras ao lado sempre lhe mereceram a maior desconfiança. "Não se pode prever os acidentes, mas há que minimizar riscos. Sempre me pareceu que as coisas não estavam a ser feitas da melhor forma. Parecia-me haver algum facilitismo. O empreiteiro é seguramente a pessoa mais desolada nisto tudo, mas, por pior que estivesse o prédio ao lado, cabia--lhe salvaguardar a segurança".

PORMENORES

RUA SEM CARROS

A rua dos Chãos mantém-se encerrada ao trânsito, mas não aos peões. Para além de facilitar os trabalhos das máquinas, a ausência de tráfego evita turbulência, que poderá ajudar ao agravamento do risco de colapso das fachadas.

PLANO DE SEGURANÇA

A Autoridade para as Condições de Trabalho só permite trabalhos de consolidação das fachadas após haver um plano de segurança, que terá de ficar a cargo dos donos dos prédios: Macedo Barbosa e David Gonçalves.

 

 

 

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)