Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Prisão efetiva para homem que vendia árvores que não eram suas

Suspeito condenado a três anos e três meses de cadeia.
8 de Novembro de 2016 às 17:20
Arguido foi julgado no Tribunal de Aveiro
Arguido foi julgado no Tribunal de Aveiro FOTO: Direitos Reservados
O Tribunal de Aveiro condenou esta terça-feira a três anos e três meses de prisão efetiva um homem por vender pinhais e eucaliptos de terrenos que não lhe pertenciam na zona de Oliveira do Bairro.

Durante a leitura do acórdão, a juíza presidente do coletivo de juízes disse que se provaram os factos que constavam da acusação "com pequenas exceções".

A magistrada explicou que o arguido estava acusado de três crimes de burla, mas foi condenado só por um, porque houve desistência de queixa relativamente aos restantes, tendo sido declarado extinto os respetivos procedimentos criminais.

O homem foi condenado a dois anos e nove meses de prisão, por um crime de burla qualificada, oito meses, por condução sem carta, e dez meses por uso de documento de identificação alheio, tendo-lhe sido aplicada uma pena única de três anos e três meses, em cúmulo jurídico.

O Tribunal entendeu não suspender esta pena, devido aos antecedentes criminais do arguido, que se encontra detido a cumprir uma pena de prisão por falsificação de documentos.

Durante o julgamento, o arguido assumiu os factos e pediu desculpa, justificando os crimes com a vida errante que levava depois da separação da mulher, agravado pela dependência do consumo do álcool.

Segundo a acusação do Ministério Público (MP), os factos ocorreram em 2011, quando o arguido vendeu a diversos madeireiros pinhais e eucaliptos de terrenos que não lhe pertenciam em Oliveira do Bairro.

Segundo o MP, o arguido apresentava-se como sendo dono ou familiar dos proprietários dos terrenos e vendia a madeira para corte, pedindo adiantamentos em numerário e o restante em cheques que eram depositados na conta de uma cúmplice.
Tribunal de Aveiro Oliveira do Bairro Ministério Público crime lei e justiça julgamentos venda árvores
Ver comentários