Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Professora do Montijo já tinha feito queixa às autoridades da filha adotiva

"Se me acontecer alguma coisa, pensem neles. Eles são capazes de tudo", afirmou Amélia às colegas de trabalho.
7 de Setembro de 2018 às 12:27
Amélia Fialho e a filha adotiva Diana Fialho
Amélia Fialho, com a filha adotiva, Diana Fialho, e o genro, Iuri Mata. Jovens são os principais suspeitos da morte da professora
Amélia Fialho tinha 59 anos e era professora de Físico-Química
Amélia Fialho tinha 59 anos e era professora de Físico-Química
Amélia Fialho e a filha adotiva Diana Fialho
Amélia Fialho, com a filha adotiva, Diana Fialho, e o genro, Iuri Mata. Jovens são os principais suspeitos da morte da professora
Amélia Fialho tinha 59 anos e era professora de Físico-Química
Amélia Fialho tinha 59 anos e era professora de Físico-Química
Amélia Fialho e a filha adotiva Diana Fialho
Amélia Fialho, com a filha adotiva, Diana Fialho, e o genro, Iuri Mata. Jovens são os principais suspeitos da morte da professora
Amélia Fialho tinha 59 anos e era professora de Físico-Química
Amélia Fialho tinha 59 anos e era professora de Físico-Química
A filha e o genro de Amélia Fialho, a professora de Físico-Quimíca encontrada morta no Montijo, são suspeitos do homicídio e de profanação de cadáver, tendo sido detidos, informou esta sexta-feira a Polícia Judiciária (PJ).

A professora já tinha feito queixa às autoridades da filha adotiva. "Se me acontecer alguma coisa, pensem neles. Eles são capazes de tudo", tinha também afirmado às colegas de trabalho.




Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)