Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
5

Professora morre à porta da escola

A professora Helena Sousa, 55 anos, morreu atropelada em frente às duas escolas da sua vida e do marido, que a esperava no carro e viu tudo. O corpo da mulher voou 40 metros e ficou enfaixado debaixo do seu próprio carro. "Foi violento. Só de pensar é horrível. Ouviu-se um estrondo enorme; o corpo ficou todo desfeito e o carro também. Mais parecia que tinha batido contra um poste e não uma pessoa", recorda ao CM o aluno Paulo Machado. A comunidade de Monção está em estado de choque.
29 de Janeiro de 2009 às 00:30
Zona escolar da vila de Monção está situada numa recta com lombas de borracha e duas passadeiras
Zona escolar da vila de Monção está situada numa recta com lombas de borracha e duas passadeiras FOTO: Janine de Miguel

Como sempre fazia há dez anos, desde que é directora da delegação de Monção da Escola Profissional do Alto Minho Interior (EPRAMI), a professora Helena saiu do trabalho ao final da tarde de terça-feira. Caminhava em zona com lombas e duas passadeiras – onde fica também a secundária local –, quando foi violentamente colhida por um Renault 19 branco.

Deixou um rasto de 40 metros, até ficar enfaixada debaixo da viatura onde o marido aguardava a sua chegada. Com recurso a operações de reanimação, uma equipa de emergência médica ainda manteve os sinais vitais activos, mas Helena não resistiu aos ferimentos e foi dada como morta já no Centro de Saúde de Monção.

"Ela tinha acabado de atravessar a passadeira quando foi apanhada. E, por desgraça do destino, ainda tinha de ir parar ao carro onde estava o marido. Que horror", desabafa a aluna Manuela, convicta de que o carro circularia em excesso de velocidade. O condutor foi sujeito a testes de despistagem de droga e álcool, tendo acusado somente uma taxa de alcoolemia de 0,09 gr/l.

"ÓPTIMA PROFESSORA E PESSOA MARAVILHOSA"

A leccionar Inglês na Escola Secundária, a professora Helena era a directora da EPRALIMA/Monção desde a sua criação. "É triste qualquer morte, mas neste caso é muito mais doloroso para todos, porque estamos a falar de uma óptima professora e de uma pessoa maravilhosa. Era do que melhor que cá tínhamos, reconhecida por colegas, alunos e funcionários", lembrou Sandra Ruivo, a trabalhar na Secundária. Entre alunos e professores multiplicavam-se as manifestações de admiração pela "personalidade simples, capacidade de trabalho, dinamismo e bom relacionamento com toda a gente". Helena Aurélia Rodrigues Sousa, de 55 anos e natural da Maia, residia em Troviscoso, no concelho de Monção. Tinha três filhos: um engenheiro mecânico, de 27 anos, uma filha, de 23 anos, a fazer pós-graduação em Inglaterra em Astronomia e uma outra, de 21 anos, a estudar Filosofia no Porto. O funeral tem lugar hoje, às 15h00, em Melgaço.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)