Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
5

PROFESSORES PROCURAM-SE

Em frente à Escola Básica 1 de Betudes, no concelho de Palmela, um placar anuncia os nomes de cerca de 30 meninos matriculados para o novo ano escolar. Mesmo ao lado, um pequeno aviso: “Informam-se os encarregados de educação que a Escola de Batudes aguarda a respectiva colocação de professores. [...] Não há previsão do início do ano lectivo”.
12 de Outubro de 2004 às 00:00
“Estou triste porque gostava muito de trabalhar e estar junto dos meus colegas e brincar no recreio”, lamenta a pequena Ana Rita, de oito anos. Aluna da terceira classe, aguarda ansiosa o início do ano lectivo, que já vai com perto de um mês de atraso. “De vez em quando, faço a tabuada em casa da minha avó”, diz ao CM.
O pai, Carlos Santos, não se conforma. “A situação cria-nos grandes problemas. Eu e a minha mulher trabalhamos e temos de deixá-la com a avó.” Este animador da rádio Popular FM acusa um destinatário concreto: “Quando vem a ministra da Educação dizer que já está tudo a funcionar, temos aqui um exemplo de que isso não é verdade”.
Idília Ferreira trabalha como embaladora numa fábrica e viu-se também obrigada a deixar a filha Mónica, de oito anos, com a avó. “É uma situação complicada, porque a minha mãe não tem muita saúde e é difícil para ela tomar conta da menina.” Idília está preocupada com a evolução da educação da sua filha, que acaba por ser a maior prejudicada. “Não acredito que algum professor consiga recuperar dois meses de atraso e dar a matéria em condições.”
A Câmara de Palmela lamenta a situação e garante que não é um caso isolado. “Sei que na sexta-feira passada havia várias escolas do primeiro ciclo com falta de professores aqui no concelho. E os três jardins de infância das freguesias rurais estão sem educador de infância”, revelou a vereadora Adília Candeias ao CM. Até ao fecho desta edição, não foi possível confrontar nenhum responsável da Direcção Regional de Educação de Lisboa com a situação.
A PROMESSA DA SEMANA
Ainda há muitas vagas em aberto para professores do primeiro ciclo em todo o País. Só no Norte, são duas mil, mas a Direcção Regional de Educação do Norte (DREN) garante que a situação não irá estender-se para além desta semana. “As vagas estão a ser enviadas para Lisboa e ainda esta semana os professores em falta serão colocados”, assegurou Lino Ferreira, director da DREN. A mesma promessa foi feita no sábado, para todo o País, pelo Ministério da Educação.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)