Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
1

Promoções dos três primeiros coronéis da GNR que podem chegar ao topo publicadas em DR

António Bogas, Rui Veloso e Paulo Silvério terminaram em julho de 2020 o curso de promoção a oficial general, que foi o primeiro a integrar oficiais da GNR.
Lusa 11 de Junho de 2021 às 18:11
Coronéis Paulo Silvério, António Bogas e Rui Veloso terminaram a formação
Coronéis Paulo Silvério, António Bogas e Rui Veloso terminaram a formação FOTO: Vitor Mota
As promoções dos três primeiros coronéis da GNR que podem chegar ao topo da hierarquia desta força de segurança foram hoje publicadas em Diário da República.

Estes três oficiais - coronel de administração militar António Bogas e os coronéis de Infantaria Rui Veloso e Paulo Silvério - são os primeiros militares da GNR com formação completa nesta força de segurança que podem assumir funções de topo na Guarda Nacional Republicana e substituir os oficiais generais das Forças Armadas que estão há mais de 100 anos nos postos de direção e de comando superior desta força de segurança.

Também são estes coronéis os três primeiros oficiais da GNR que podem aspirar ao cargo de comandante-geral da Guarda Nacional Republicana, até agora comandada pelo Exército.

António Bogas, Rui Veloso e Paulo Silvério terminaram em julho de 2020 o curso de promoção a oficial general, que foi o primeiro a integrar oficiais da GNR.

Os decretos do Presidente da República publicados em Diário da República confirmam a promoção ao posto de brigadeiro-general António Boga e a graduação ao posto de brigadeiro-general Rui Veloso e Paulo Silvério.

Fonte do Ministério da Administração Interna (MAI) disse à Lusa que os dois coronéis foram graduados porque ainda não completaram os quatro anos para serem promovidos a brigadeiros-generais, o que vai acontecer no final do ano.

Segundo a mesma fonte, havia dois lugares vagos na GNR que era necessário preencher e a solução passou pela graduação.

A chegada de oficiais formados na GNR e o fim dos generais do Exército a comandar a Guarda Nacional Republicana é uma das mais antigas ambições dos militares desta força de segurança.

CMP // ZO

Lusa/fim

Ver comentários