Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

Queda de avião simulada na ria Formosa

Usado material insuflável para ultrapassar dificuldades de acesso.
Tiago Griff 21 de Março de 2019 às 08:42
Em situação de emergência na ria, o principal problema é conseguir chegar ao local devido às dificuldades de acesso
Em situação de emergência na ria, o principal problema é conseguir chegar ao local devido às dificuldades de acesso
Em situação de emergência na ria, o principal problema é conseguir chegar ao local devido às dificuldades de acesso
Em situação de emergência na ria, o principal problema é conseguir chegar ao local devido às dificuldades de acesso
Em situação de emergência na ria, o principal problema é conseguir chegar ao local devido às dificuldades de acesso
Em situação de emergência na ria, o principal problema é conseguir chegar ao local devido às dificuldades de acesso
Em situação de emergência na ria, o principal problema é conseguir chegar ao local devido às dificuldades de acesso
Em situação de emergência na ria, o principal problema é conseguir chegar ao local devido às dificuldades de acesso
Em situação de emergência na ria, o principal problema é conseguir chegar ao local devido às dificuldades de acesso
Em situação de emergência na ria, o principal problema é conseguir chegar ao local devido às dificuldades de acesso
Em situação de emergência na ria, o principal problema é conseguir chegar ao local devido às dificuldades de acesso
Em situação de emergência na ria, o principal problema é conseguir chegar ao local devido às dificuldades de acesso
A queda de uma avioneta com quatro pessoas a bordo - dois tripulantes e dois passageiros - com três vítimas mortais e um ferido grave, com uma fratura exposta na perna e queimaduras de segundo grau.

Foi este o cenário escolhido para o simulacro que, esta quarta-feira, envolveu a Autoridade Marítima do Sul e operacionais da área de segurança do Aeroporto de Faro, em que foi testado um resgate pelas areias da ria Formosa, com recurso a material insuflável que ultrapassa obstáculos onde o acesso é extremamente condicionado.

"Há muitos sapais, regueiros, ilhotes e até a própria maré influencia. É uma zona complicada em termos de acessos", explica ao CM o comandante da Autoridade Marítima do Sul, Cortes Lopes, revelando ainda a dificuldade numa situação de resgate: "Em situações de emergência na ria Formosa, o principal problema é conseguir chegar ao local porque não conseguimos caminhar nesses sítios e quem tenta fica preso."

Para precaver estas situações, o aeroporto de Faro comprou 200 metros de passadeiras e seis macas, tudo em material insuflável, que esta quarta-feira foram testados por cerca de 30 operacionais.

"É material extremamente útil. Não só num cenário de queda de uma aeronave, mas se alguém ficar preso na ria Formosa por outra situação o acesso fica muito mais fácil", revela ainda Cortes Lopes.

No local estiveram ainda os Bombeiros Sapadores de Faro, o INEM e a Proteção Civil - entidades que são acionadas em casos de emergência.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)