Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Quer engravidar de marido morto

Apesar de a lei da procriação medicamente assistida proibir a inseminação artificial após a morte do dador, uma mulher decidiu levar para a Justiça a vontade de engravidar com o esperma congelado do marido, falecido há ano e meio.
24 de Janeiro de 2012 às 01:00
A inseminação intra-uterina com esperma de dador é uma das técnicas de procriação assistida
A inseminação intra-uterina com esperma de dador é uma das técnicas de procriação assistida FOTO: Getty Images/Simulação

A viúva, de 33 anos, entrou com uma "acção declarativa de simples apreciação" num tribunal do norte do Ribatejo, contra a unidade de saúde que recolheu o sémen do cônjuge. A autora pretende impedir a destruição do sémen congelado ao fim de três anos, prazo máximo de conservação. Naquele que será o primeiro caso de inseminação ‘post mortem’ discutido nos tribunais portugueses, são ainda citados na acção o Ministério da Saúde e o Conselho Nacional de Procriação Medicamente Assistida.

Como principal argumento a queixosa alega que o sémen foi recolhido antes de o ex-marido iniciar a quimioterapia, para precaver uma possível infertilidade. Como o cônjuge faleceu, a mulher reclama a propriedade do sémen congelado. No entanto, a lei refere que "não é lícito à mulher ser inseminada com sémen do falecido, ainda que este haja consentido". O CM contactou a jovem viúva, que recusou prestar declarações. 

Inseminação artificial viúva morto
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)