Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Relatório diz que médico mente

Mentiroso e narcisista acima da média, e com tendência para simular uma boa imagem de si próprio além de ter uma atitude de falta de preocupação pelas consequências negativas que o seu comportamento pode ter nos outros. É desta forma que os técnicos que avaliaram João Vasconcelos Vilas Boas definem o psiquiatra de 48 anos que está a ser julgado, acusado de violar uma paciente grávida de oito meses, no seu consultório, no Porto.
6 de Junho de 2010 às 00:30
João Vasconcelos Vilas Boas conhece a sentença a 1 de Julho, no Tribunal de S. João Novo, no Porto
João Vasconcelos Vilas Boas conhece a sentença a 1 de Julho, no Tribunal de S. João Novo, no Porto FOTO: Diogo Pinto

O relatório da perícia em que foram ouvidos a família, amigos e colegas de trabalho do médico, que há três anos mantém uma relação com uma economista, sublinha que nas provas de personalidade a que foi sujeito se mostrou pouco sincero e com tendência para não reconhecer as suas falhas, evidenciando valores acima da média na análise à propensão para a mentira e narcisismo.

O arguido, que após ser confrontado com a denúncia da grávida apresentou três versões contraditórias dos factos à polícia e ao juiz de Instrução Criminal que o ouviu, é definido como uma pessoa egocêntrica e com capacidade para compreender os actos errados. Os técnicos entendem por isso que é imputável. Ao Tribunal de S. João Novo, no Porto, o médico – que tem dois filhos de 17 e 20 anos – confirmou ter tido relações sexuais com a vítima e diz estar envergonhado. Está suspenso das funções no Instituto da Droga e Toxicodependência em Campanhã, no Porto. A sentença é lida a 1 de Julho.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)