Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

Responsáveis da Segurança Social presos por corrupção

Os detidos, por por alegada emissão de certidões sobre regularidade contributiva, serão ouvidos na quinta-feira.
Henrique Machado 4 de Março de 2015 às 11:27
Ainda decorre a operação da PJ.

Dois responsáveis do centro distrital de Lisboa da Segurança Social, um diretor e um chefe de serviço, foram detidos esta manhã pela Polícia Judiciária por corrupção, tal como um advogado e dois técnicos oficiais de contas, apurou o CM. Os cinco homens detidos têm entre os 41 e 57 anos, de acordo com um comunicado da PJ.

Os dois primeiros são suspeitos de vender falsas declarações a dezenas de empresários, a atestar que as respetivas empresas não têm dívidas para com a Segurança Social, de modo a que as empresas se possam apresentar de forma fraudulenta a concursos públicos.

No esquema de pagamento de luvas, agora desfeito numa investigação da Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ, em articulação com a 9ª secção do DIAP de Lisboa, serviam como intermediários o advogado e dois técnicos de contas agora presos.

A operação da PJ, realizada em larga escala, contou com cerca de 70 buscas, domiciliárias e não domiciliárias, levadas a cabo por 80 inspetores. Durante a investigação foram apreendidos diversos materiais relacionados com os crimes.

Detidos na "Operação Areeiro" serão ouvidos na quinta-feira

Os dois dirigentes do Centro Distrital de Lisboa do Instituto da Segurança Social (ISS), um advogado e dois técnicos oficiais de contas, detidos por alegada emissão de certidões sobre regularidade contributiva, serão ouvidos na quinta-feira.

Segundo fonte judicial, o primeiro interrogatório aos detidos na "Operação Areeiro", terá início na parte da manhã, após o qual serão aplicadas as medidas de coação.

Mediante contrapartidas financeiras, os funcionários do Centro Distrital de Lisboa do ISS concediam a empresas tratamento de favor relativamente às respetivas contribuições para a Segurança Social e emitiam certidões que atestavam falsamente a regularidade contributiva.

Ver comentários