Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Ribeira cansada de Pidá

Uma semana após a confirmação da prisão preventiva de Bruno ‘Pidá’ e de mais três elementos do gang suspeito dos homicídios na noite do Porto, a Ribeira, o bairro da Invicta que lhe empresta o nome, recusa identificar-se com o grupo. Muitos comerciantes que também ali moram há vários anos dizem estar fartos de uma ‘novela’ com a qual nada têm a ver.
28 de Dezembro de 2007 às 00:00
“O Bruno não é um filho da Ribeira. O pai dele é que era. Nasceu e trabalhou aqui como estivador. Ele vive noutra zona, não na Ribeira”, disse prontamente indignada, Luísa Ferreira, de 63 anos, dona de um restaurante na margem do Douro.
A revolta com a associação do gang à Ribeira surtiu, aliás, igual resposta de outros negociantes que, com medo, falaram sob anonimato. Queixam-se do “prejuízo que as notícias têm provocado nas lojas da Ribeira”, onde continuam a passear dezenas de turistas alheios aos recentes assassínios na Invicta.
“Não se pode confundir o gang com esta zona. Agora a partir das 17h00 ninguém cá vem comprar nada”, referiu Hélder Simões, secundado por Marta Soares, com quem partilha a gestão de um pequeno quiosque na zona. Com 27 e 28 anos, respectivamente, e ambos naturais “com orgulho da Freguesia de São Nicolau, Ribeira”, apontam ainda críticas à policia. “Não faltam agentes aqui, faltam é bons polícias. Há sinais exteriores de riqueza em algumas pessoas e ninguém faz nada”, comentou Hélder Simões aludindo a “certos indivíduos que se passeiam em automóveis de luxo”.
Já Maria Clotilde, dona de um bazar nas imediações, sublinhou que se sente “super segura” e que os únicos problemas surgem “graças aos copos”, entre elementos das claques do FC Porto e adeptos de outros clubes, junto aos bares e à sede do Clube Os Ribeirenses,
“Algumas pessoas vêm cá e desconfiam do calão dos jovens da Ribeira, mas eles são pacíficos e ajudam-nos. Até protegem a minha filha quando fica sozinha na loja”, rematou Maria Clotilde admitindo que conhece “de vista” alguns dos suspeitos.
BRUNO "APANHA FRIO NA CADEIA"
“A juíza enviou o meu marido para Custóias, mas ele acabou no Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira onde está com outros condenados e ele ainda não foi julgado”, referiu ontem ao CM, a mulher de Bruno ‘Pidá’, Telma Sequeira, que diz que foi a PJ que o enviou para aquela prisão. Segundo Telma Sequeira, o advogado de ‘Pidá’, Luís Vaz Teixeira, vai pedir a sua transferência para outra cadeia. A companheira salientou ainda que Bruno está “revoltado” por passar 23 horas por dia na cela e só receber visitas uma vez por semana. “Usa a roupa e as sapatilhas de outros presos e passa muito frio. No Natal não comeu nada e quando o visitei na semana passada falámos através de um vidro”, acrescentou Telma Sequeira que acusa a PJ de estar a “tramar” ‘Pidá’, fazendo “dele um bode expiatório”. E quanto à SMS que diz ter em seu poder e que “incrimina” um inspector da Judiciária, estranha que os investigadores “não tenham ainda pedido essa prova”.
MAURO, OMAIS NOVO DO GRUPO
Mauro Santos, o único membro do gang da Ribeira que se encontra detido na PJ do Porto, é o mais novo dos quatro colocados em preventiva. Com 19 anos, tem uma história de vida conturbada. Adepto de artes marciais, é órfão de pai e mãe e o irmão morreu cedo, vítima de um acidente de viação. Há dois anos teve uma condenação com pena suspensa pela posse de uma pequena quantidade de haxixe. Agora, envolvido no grupo sob o qual recaem as suspeitas mais fortes dos homicídios na noite do Porto, jura inocência. Durante a operação da PJ, colocada em marcha para apanhar os principais suspeitos, foi detido no interior da casa da namorada, na Maia. E na sua residência, na Ribeira do Porto, a PJ encontrou uma arma ‘speed loader’ com duas munições de calibre .32.
PORMENORES
CADEIAS DIFERENTES
Os elementos do grupo da Ribeira em preventiva foram colocados em diferentes cadeias do Porto. ‘Pidá’ e Fernando ‘Beckham’ estão em Paços de Ferreira, a mesma prisão onde um irmão de ‘Berto’ cumpre 17 anos por homicídio. Mauro Santos permanece detido na PJ do Porto, enquanto Ângelo Miguel está na prisão de Custóias.
SEM CADASTRO
Bruno ‘Pidá’ negou todos os crimes que lhe foram imputados. Alegou ainda ser conhecido e estimado na zona onde vive, ter um emprego estável e não ter quaisquer antecedentes criminais.
SMS ABALA JUDICIÁRIA
A existência de uma SMS, enviada por um inspector da PJ a um indivíduo referenciado em vários processos de violência, está a causar uma onda de mal-estar na PJ do Porto após a companheira de ‘Pidá’, que a tem em sua posse, ter revelado publicamente o seu conteúdo.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)