Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

‘ROLHAS’ DOURO ABAIXO

Ultrapassados todos os problemas burocráticos, John Pollack, de 36 anos, jornalista norte-americano, ex-assessor do anterior presidente Bill Clinton, começa hoje a descer o rio Douro num barco construído com 160 mil rolhas de cortiça, desde Barca D'Alva até ao Cais da Ribeira, no Porto.
29 de Junho de 2002 às 21:46
Com início previsto para segunda-feira passada, as dificuldades burocráticas alfândegárias, devido às caracterísicas de um barco deste género, levaram ao adiamento da partida em quase uma semana.

O sonho data de quando John Pollack tinha apenas sete anos e começou a coleccionar rolhas, que foi juntando ao longo de três décadas pedindo-as em restaurantes e snack-bares de Washington.

Como não chegassem, as rolhas que lhe faltavam para concretizar o sonho conseguiu-as na Cork Supply, uma empresa corticeira líder nos Estados Unidos com delegações em diversos países, incluindo Portugal. "Estava a "navegar" na Internet quando encontrei os dados desta empresa. Telefonei a perguntar se havia possibilidades de me arranjarem 100 mil rolhas, e a resposta do gerente foi afirmativa. A partir daí meti mãos à obra", adiantou ao CM John Pollack.

Reunido o material necessário passou à fase da construção. Das rolhas fez troncos, que foram cobertos com rede de pesca e unidos por vulgares elásticos (cerca de 15 mil), e o barco ficou pronto a cruzar as águas do Douro.

Para uma lotação de cinco pessoas, este barco é uma estrutura rígida e resistente, tem sete metros de comprimento e dois de altura, pesa 1.150 quilos, tem um mastro e a proa é parecida com um barco Viking. Hoje inicia a sua travessia navegando por etapas durante oito a dez dias percorrendo a distância de 265 kms.

A escolha de Portugal para a aventura deve-se ao facto de as rolhas terem sido conseguidas no nosso País e por este ter uma longa tradição na arte de bem navegar.
Ver comentários