Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Roubam 1 milhão em oito meses

‘Gang da Metralhadora’ assaltou sete hipermercados e quatro ourivesarias, em três distritos. Usava armas automáticas e até coletes balísticos.
3 de Julho de 2010 às 00:30
O grau de organização e de violência do grupo impressionou até os inspectores mais experientes da Polícia Judiciária
O grau de organização e de violência do grupo impressionou até os inspectores mais experientes da Polícia Judiciária FOTO: Rui Miguel Pedrosa

O grau de organização e violência do grupo, que ficou conhecido pelo ‘Gang da Metralhadora’, impressionou até os inspectores mais experientes da PJ. Os estabelecimentos eram vigiados antes dos assaltos, os operacionais comunicavam em línguas estrangeiras e as transmissões policiais eram controladas no momento da fuga.

A acção do bando, constituído por seis homens – entre eles um ex-inspector da Judiciária – e duas mulheres, foi travada anteontem pela PJ de Coimbra, quando estava em preparação mais um roubo. Os dados já recolhidos ligam os suspeitos à prática de sete roubos em hipermercados e quatro em ourivesarias, desde Outubro de 2009, nos distritos de Leiria, Viseu e Santarém. Os prejuízos rondam o milhão de euros.

Segundo disse ontem fonte da PJ, havia um núcleo duro, de cinco elementos, que entrava nos estabelecimentos fortemente armado, com pistolas e uma metralhadora. Os seguranças eram neutralizados e os clientes obrigados a deitarem-se no chão. Depois de obrigarem os funcionários a abrir os cofres, fugiam com o dinheiro em carros roubados, com matrículas falsas, por percursos estudados previamente.

DETALHES

DINHEIRO 'LAVADO'

Dois dos detidos exploravam cafés, que usavam para ‘lavar’ o dinheiro roubado. Os suspeitos têm idades entre os 24 e 58 anos e um deles é espanhol.

EX-PJ RECEPTAVA

O ex-inspector da PJ do Porto, Raul Pedro, participava na rede ao nível da receptação.

HIPERMERCADOS

O grupo assaltou hipermercados Intermarché e Lidl, em Coimbra, Miranda do Corvo, Condeixa, Montemor-o-Velho, Pombal, Viseu e Tomar.

CONTACTOS ESTABELECIDOS NA CADEIA

Os principais elementos do gang têm cadastro por crimes semelhantes e terão estabelecido laços de amizade na prisão, onde alguns deles estiveram a cumprir penas. Dois estavam em liberdade condicional e um cortou a pulseira electrónica. Nos roubos, todos usavam gorros passa-montanhas, coletes à prova de bala e muita roupa desportiva – para parecerem mais corpulentos. Foram-lhes apreendidos a metralhadora – igual à da tropa espanhola –, revólveres, automóveis, coletes da Polícia, 13 mil euros, 130 gramas de heroína, artigos em ouro e objectos de disfarce.

 

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)