Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6
Ao minuto Atualizado às 15:35 | 20/10

Testemunhas em confinamento adiam próxima sessão de julgamento de Rui Pinto. Saiba o que foi dito hoje em tribunal

Hacker celebra esta terça-feira 32 anos.
Pedro Zagacho Gonçalves(pedrogoncalves@cmjornal.pt) 20 de Outubro de 2020 às 08:42
Rui Pinto
Rui Pinto em tribunal
Rui Pinto
Rui Pinto em tribunal
Rui Pinto
Rui Pinto
Rui Pinto em tribunal
Rui Pinto
Rui Pinto em tribunal
Rui Pinto
Rui Pinto
Rui Pinto em tribunal
Rui Pinto
Rui Pinto em tribunal
Rui Pinto
Decorre esta terça-feira a 14.ª sessão do julgamento de Rui Pinto no âmbito do processo Football Leaks, no qual o jovem hacker está acusado de 90 crimes, incluindo acesso indevido, acesso ilegítimo, tentativa de extorsão, violação de correspondência e sabotagem informática. De referir que hoje, dia 20 de outubro, Rui Pinto celebra o seu 32.º aniversário.
Ao minuto Atualizado a 20 de out de 2020 | 15:35
15:35 | 20/10
Assim, esta quarta-feira, será apenas ouvido como testemunha Amadeu Guerra, ex-diretor do DCIAP, às 14h00.
15:34 | 20/10
"Foi no caso do Rui Pinto?", perguntou a testemunha. "Pois, nos achamos que sim", respondeu com humor a procuradora Marta Viegas, arrancando risos ao tribunal, incluindo Rui Pinto. Manuel Fernandes, que atualmente é comentador desportivo, contou que na altura que foi feita a queixa contra o hacker lhe perguntaram se queria ser incluído na mesma, como queixoso.

"Fizeram-me a pergunta, porque Rui Pinto tinha entrado no meu computador, se eu queria processá-lo. E eu disse que não, não tenho nada a esconder", disse ao tribunal. Lembrava-se do seu email e tinha uma ideia da password, mas negou que tivesse acedido ao email através de Budapeste, na Hungria, ou pela Universidade do Porto, nos dias indicados pela procuradora (e que o MP sustenta serem acessos feitos por Rui Pinto).

"Não usava o email para nada", confessou. No final do depoimento deixou um comentário sobre o caso: "se for pela justiça, que seja resolvido em favor da verdade".
15:34 | 20/10
Foi revelado em tribunal que duas das testemunhas, uma que seria ouvida esta tarde e outra na manhã de quarta-feira, estão em confinamento devido à Covid-19.

José Luís Cristóvão, informático da PGR, está em isolamento profilático e Balint Bozó, familiar dos senhorios de Rui Pinto em Budapeste (segundo o MP), está em isolamento com a mãe, fora da capital húngara e sem acesso a computador com Internet.
15:32 | 20/10

Tiago Fernandes

Falou esta tarde Tiago Fernandes, à data treinador de futebol no Sporting. Ainda se recordava do seu email do clube (tcfernandes@sporting.pt), mas não soube precisar de alterou a password antes ou depois do ataque.

Negou ter acedido ao email a partir da Hungria, referindo que chegou a jogar lá, mas nunca nas datas indicadas pela procuradora (entre 27 de julho de 2015 e 18 de agosto do mesmo ano, num total de quatro alegados acessos).

Em seguida foi ouvido Manuel Tavares Fernandes, que esteve no Sporting entre 1975 e 2018, ocupando várias funções, como jogador, treinador e scout. "Nunca dei muita importância, mas sei o que é!", disse sobre o Football Leaks o antigo funcionário do Sporting, de 69 anos.
15:21 | 20/10
Terminou a sessão. Informático da PJ e alegado senhorio de Rui Pinto em Budapeste, testemunhas no processo, estão em confinamento tendo levado ao adiamento da sessão de julgamento para a tarde de quarta-feira. 
13:24 | 20/10
Em seguida falou Tiago Ribeiro, ainda técnico de Marketing no Sporting. Disse nunca ter feito acessos ao seu email do clube a partir da Universidade do Porto, nomeadamente num dia (21 de julho de 2015), que o MP sustenta ter sido feito por Rui Pinto.

Tiago Ribeiro referiu que soube do alegado ataque aos sistemas informáticos do Sporting, mas que só soube que a sua caixa de email tinha sido invadida (ou tinham havido tentativas de acesso) pela PJ.
13:04 | 20/10
Considerando que ainda "há caminho enorme a percorrer" para a transparência do futebol, Alexandre Godinho foi ainda duramente questionado pela advogada da Doyen, assistente no processo, sobre os acordos da Doyen com o clube "rasgados" por Bruno de Carvalho e a ação que o clube de Alvalade interpôs contra a Doyen no Tribunal Arbitral do Desporto.
12:54 | 20/10
Questionado sobre a origem do dinheiro destes fundos, Alexandre Godinho afirmou que "no caso da Doyen, havia relatos que vinha de famílias com práticas criminosas no Cazaquistão".

"Quando se tira as camadas, devido à opacidade do meio... percebe-se o porquê de estar por baixo. Se fosse feito às claras levaria a medidas", admitiu.
12:53 | 20/10
O ex-responsável dos Leões também contou o episódio em que, numa reunião surpresa com responsáveis do Southampton (ou assim pensava Alexandre Godinho) estava Nélio Lucas, CEO da Doyen, e o ex-dirigente ficou "com a convicção que representava o Southampton".
12:53 | 20/10
Teixeira da Mota questionou a testemunha sobre se o Football Leaks tinha dado "um contributo positivo para a moralização do futebol e verdade desportiva".

"Sim, creio que sim", disse, realçando que deu origem a "decisões como a de banir os fundos que acabaram por concretizar a preocupação que surgiu" da divulgação dos documentos, ou seja, considerou que era cumprido o desígnio e o objetivo que o Football Leaks se propunha a fazer aquando da sua criação.
12:52 | 20/10
Teixeira da Mota, advogado de Rui Pinto, questionou a testemunha sobre a realidade dos TPOs ou ERPAs (acordos sobre direitos económicos de jogadores envolvendo fundos desportivos). Alexandre Godinho considerou que o efeito que provocavam era "extremamente negativo e prejudicial".

"O Sporting estava em posição para obter ganhos e ficou em posição de dependência da Doyen", disse ilustrando com o caso de Marcus Rojo, voltando a contar o episódio relatado na sessão anterior por Bruno de Carvalho, em que o clube foi pressionado para o jogador não jogar, temendo-se que negócio com o Manchester ficasse em risco devido a eventual lesão.

"Este tipo de interferência é inadmissível", disse, realçando que depois a FIFA e a UEFA "vieram banir este envolvimento" dos fundos de investimento na gestão dos clubes.
12:37 | 20/10
Falou Alexandre Godinho vice-presidente do Conselho Diretivo do Sporting. Disse ter estado na Hungria e admitiu ser possível ter acedido ao seu email do Sporting a partir de lá, mas não conseguiu precisar o ano em que tal ocorreu.
12:37 | 20/10
O ex-dirigente leonino desvalorizou a divulgação de documentos, contratos e acordos com jogadores no Football Leaks.

"Não era um problema, eram verdadeiros, não mostravam ilícitos, qualquer prática ilícita... Foi só uma questão de confiança, e de a concorrência ter acesso", defendeu.
12:27 | 20/10
Sessão interrompida para almoço.
10:30 | 20/10
O treinador Jorge Jesus, à data (entre 2015-2018) técnico do Sporting, desvalorizou em julgamento a divulgação do seu contrato no Football Leaks por Rui Pinto. "Nunca foi coisa que dei importância, nunca teve nada a ver comigo. Nem sei o que estou aqui a fazer!", disse ao coletivo de juízes.

Jesus desconhecia ter um email do Sporting (jjesus@sporting.pt), segundo relatou à procuradora Marta Viegas, e disse que nunca o usou. Sobre a divulgação dos documentos do clube e do próprio contrato, minorizou a fuga de informação. "Os contratos não são sigilosos, estão na CM...CMVM. Se tive conhecimento que foi exposto, sim, mas não me preocupou nada, não tenho nada a esconder".

A procuradora perguntou a Jesus se tinha acedido ao email do Sporting a partir da Hungria a 21 de julho de 2015. "Já lhe disse que não. Nunca acedeu a esse email. Não falo português?", respondeu Jorge Jesus, impaciente.

O coletivo de juizes questionou Jesus, uma vez que este dizia ter estado três anos no Sporting, mas disse ter saído em 2016, por lapso. Confirmaram que havia saído do clube em 2018 e questionaram-no novamente sobre o alarido criado com o caso na altura e os efeitos que tinha causado ao Sporting.

"A mim não me causou nada, não sei o que causou ao Sporting", disse Jesus no final do seu depoimento.

Antes de começar a falar, Jorge Jesus perguntou à juíza se o depoimento tinha de ser prestado "com máscara". Foi-lhe dito que sim.
08:39 | 20/10
Esta manhã serão ouvidos vários membros e ex-membros da estrutura do Sporting. Alexandre Godinho, Jorge Jesus, Tiago Vieira, Paulo Henriques e Felipe Celikkaya serão ouvidos durante a manhã.

Já durante a tarde serão ouvidos Bálint Bozó (que, segundo o MP seria familiar dos donos do apartamento alugado por Rui Pinto em Budapeste, na Hungria, e local a partir do qual terão sido feitos os acessos a centenas de caixas de email, sistemas informáticos e servidores de várias entidades), Tiago Costa Fernandes e Manuel Fernandes.
Rui Pinto Football Leaks crime lei e justiça julgamentos
Ver comentários