Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

SALVO PELO TELEMÓVEL

O hábito de transportar o telemóvel escondido durante a noite foi vital para o socorro de um homem de 48 anos, sequestrado no Entroncamento com o recurso a gás paralisante e abandonado inconsciente à entrada de Constância.
8 de Novembro de 2002 às 00:00
“Fui salvo pelo telemóvel”, reconhece João Moreira, que só agora começou a recuperar a memória e a conseguir reconstituir o assalto de que foi vítima na noite de segunda-feira.

Faltava pouco para a meia-noite quando o técnico de manutenção física abandonava a sua clínica, junto da Escola Secundária Ruy Andrade, no Entroncamento, e se preparava para entrar no automóvel. “Senti um vulto atrás de mim, que me deitou um spray para os olhos, e eu fiquei inconsciente. Parece que o cérebro parou”, recordou a vítima ao Correio da Manhã.

A partir daí, a única coisa de que consegue lembrar-se é de ouvir uma voz a dizer “pára o carro”, de sentir que estava a ser transportado de automóvel (que era o seu) e de pedir auxílio às autoridades, quase três horas depois. Quem o sequestrou levou-o até à entrada de Constância, deixando-o ao volante, com o motor do carro a trabalhar e as luzes ligadas. E levou-lhe "perto de 150 euros em dinheiro, um relógio e uma esferográfica".

Só pelas 02h30 João Moreira conseguiu voltar a si, e através do tacto, detectar o telemóvel escondido para dar indicações à polícia. A vítima acredita que a intenção dos assaltantes foi apenas retirar-lhe o dinheiro, pois não houve qualquer tipo de agressão física, a não ser com o gás paralisante. "Deixaram-me à beira da estrada, porque se atirassem o carro para o meio do mato, ninguém me descobria", refere João Moreira.

As autoridades policiais suspeitam que o químico usado para imobilizar a vítima foi o gás mostarda. Este produto é um composto à base de enxofre que provoca danos nas mucosas. Em altas concentrações, pode levar à cegueira e à morte. Transportada ao Hospital de Abrantes, a vítima foi transferida para uma unidade hospitalar de Lisboa. Ontem, ainda tinha um olho protegido devido aos ferimentos, mas esperava regressar ao trabalho na próxima semana.
Ver comentários