Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

Segurança Social matou idosa e disse-lhe

Maria José, uma mulher de 75 anos, natural de Torres Vedras, mas residente em Pegarinhos, Alijó, foi dada como morta pela Segurança Social de Vila Real, e deixou de receber a reforma por invalidez.
19 de Março de 2005 às 00:00
No início do mês, quando Maria José foi, como habitualmente fazia, à Caixa Geral de Depósitos para levantar a reforma nem queria acreditar: “fiquei espantada quando me disseram que não tinha lá nada para levantar.” Preocupada, foi à Segurança Social, em Vila Real, porque não lhe tinha sido processada a reforma. “Disseram-me na cara que estava morta.”
Ainda na Segurança Social a idosa fez prova de vida documental, mostrando de quem é filha, onde e quando nasceu, tendo sido depois aconselhada a voltar a casa, já que “o assunto iria ser estudado”.
Entretanto, Maria José recebeu um ofício da Segurança Social para apresentar um documento da Junta de Freguesia de Pegarinhos a fazer prova de residência, e um atestado da sua médica a fazer prova de vida.
Na Segurança Social de Vila Real foi apenas explicado ao CM que o assunto “está a ser tratado e que a verdade será reposta quando a utente fizer prova dos documentos que lhe foram solicitados.”
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)