Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
5

“Sem segurança fechamos os presos”

Guardas prisionais ameaçam com protesto, em seis prisões, a 2 de janeiro.
Miguel Curado 24 de Dezembro de 2017 às 07:32
Prisão
Grades de Prisão
Prisão
Grades de Prisão
Prisão
Grades de Prisão
Os guardas prisionais ameaçam não abrir as celas dos reclusos detidos nas seis cadeias onde, a 2 de janeiro de 2018, será implementado o novo horário de trabalho definido pela Direção-Geral dos Serviços Prisionais (DGSP). O Sindicato Nacional do setor lembra a falta de guardas, afirmando recear "a falta de condições de segurança".

"Sem segurança, fechamos os reclusos. Existe uma vaga de baixas e férias em muitas cadeias. A DGSP terá de arranjar novos guardas, pelo menos para as cadeias de Lisboa, Porto, Paços de Ferreira, Funchal, Castelo Branco e Coimbra", disse Jorge Alves, presidente do Sindicato Nacional.

Entretanto, começou este sábado e prossegue até dia 27 um período de greve, que será repetido no Ano Novo.

O CM sabe que o Grupo de Intervenção em Serviços Prisionais (GISP), unidade de elite para combater motins, foi deixado de prevenção para colmatar eventuais falhas de guardas.

A DGSP não nega, limitando-se a dizer que "não faz parte das atribuições do GISP suprir faltas de pessoal".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)