Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

SEQUESTRADA EM ARMÁRIO

Dois indivíduos assaltaram uma loja de pronto-a-vestir em Viana do Castelo, tendo levado mais de 600 euros em dinheiro e os documentos da empregada do estabelecimento, que, depois de ter sido ameaçada de morte, acabou por ficar presa durante hora e meia num pequeno compartimento destinado à prova de roupas.
12 de Abril de 2003 às 00:01
Sónia Viana diz-se apavorada por causa do assalto e sequestro
Sónia Viana diz-se apavorada por causa do assalto e sequestro FOTO: Rui Moreira
"Nem consigo dormir. Ainda estou muito nervosa com tudo o que aconteceu. Foi uma coisa medonha e ainda corro o risco de continuar a ser ameaçada", desabafou ontem ao Correio da Manhã Sónia Viana, com 30 anos de idade e a trabalhar há duas semanas no pronto-a-vestir 'Parx', no centro daquela cidade do Alto Minho.
Conforme contou a vítima, um indivíduo entrou no estabelecimento pelas 11h45 de anteontem, tendo pedido para ver um dos casacos que estavam expostos por detrás de Sónia, que se virou para pegar na peça. O assaltante aproveitou então para encostar nas costas da vítima "um objecto ponteagudo" - segundo indicação da PSP terá sido uma navalha.
"Disse-me para estar quieta e calada, para não gritar, se não matava-me; mandou-me abrir a caixa e tirou o dinheiro todo, assim como as notas que estavam numa gaveta", descreveu Sónia Viana, acrescentando que tudo se passou enquanto um outro indivíduo se manteve no exterior, à porta do estabelecimento.
Depois de lhe ter tirado a bolsa - onde tinha todos os documentos e 30 a 35 euros -, o assaltante meteu Sónia no provador de roupa, onde ficou fechada até às 13h20, de nada valendo ter gritado a pedir socorro e pontapeado a porta, que ficou danificada.
"As pessoas que passaram na rua e os vizinhos dizem que julgavam tratar-se de uma criança a chorar e, por isso, não ligaram", disse a vítima, a quem valeu os colegas de um gabinete de psicólogos que está situado por cima da loja que decidiram "seguir a voz que pedia por socorro". Como os assaltantes levaram a chave do provador, Sónia teve de dar indicações sobre o local onde se encontravam as chaves sobresselentes, numa operação que contou também com a ajuda dos empregados do BCP.
Sónia Viana conseguiu identificar na esquadra da PSP o assaltante que entrou na loja, tendo-se então confirmado que se trata de um indivíduo já referenciado. Após ter sido detido, o suspeito negou as acusações e alegou que estava a almoçar com a mãe, pelo que foi colocado em liberdade.
REACÇÕES INTIMIDATÓRIAS
A Polícia de Segurança Pública de Viana do Castelo alertou já Sónia Viana que o assaltante identificado, e já interrogado na esquadra, poderá vir a revelar algumas atitudes eventualmente intimidatórias, colocando-se em frente à montra e passando várias vezes na rua da loja. Sónia disse que, de acordo com as indicações da PSP, aquelas atitudes são alguns exemplos do que o assaltante costuma fazer noutros casos similares, por forma a pressionar as vítimas a desistir da queixa.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)