Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
9

Sobrinho de Manuel Godinho entregou-se às autoridades para cumprir pena de prisão no Porto

"Não me orgulho nada daquilo que fiz. Eu nunca mais vou querer fazer aquilo", disse.
Lusa 14 de Junho de 2021 às 16:39
Estabelecimento Prisional do Porto
Estabelecimento Prisional do Porto FOTO: Direitos Reservados
O sobrinho do sucateiro Manuel Godinho deu entrada no Estabelecimento Prisional do Porto para cumprir a pena de quatro anos e cinco meses de prisão a que foi condenado no âmbito do processo Face Oculta, informou hoje fonte judicial.

Segundo a mesma fonte, o arguido Hugo Godinho apresentou-se voluntariamente no Estabelecimento Prisional do Porto no dia 08 de junho, na sequência de um mandado de detenção emitido pela juíza do processo Face Oculta.

Hugo Godinho foi condenado a uma pena única de quatro anos e cinco meses, em cúmulo jurídico, por um crime de furto qualificado, dois crimes de burla qualificada e um crime de corrupção ativa para ato ilícito, tendo a decisão transitado em julgado em 21 de abril.

O sobrinho de Manuel Godinho foi um dos arguidos do processo Face Oculta que beneficiaram da prescrição de alguns crimes, tendo visto o tribunal retirar-lhe um ano de prisão à pena que tinha sido anteriormente aplicada.

Durante a audiência para a reformulação do cúmulo jurídico, no Tribunal de Aveiro, o arguido disse estar arrependido do que fez quando trabalhava para o tio, nos negócios da gestão de resíduos.

"Não me orgulho nada daquilo que fiz. Eu nunca mais vou querer fazer aquilo", disse.

Além de Hugo Godinho, há mais seis arguidos que estão detidos a cumprir pena de prisão, incluindo o ex-ministro Armando Vara (cinco anos), o ex-presidente da REN José Penedos (três anos e três meses) e o filho Paulo Penedos (quatro anos).

O sucateiro Manuel Godinho, principal arguido do caso, que foi condenado a 12 anos de prisão, continua a aguardar, em liberdade, a decisão do recurso para o Tribunal Constitucional.

O processo Face Oculta, que começou a ser julgado em 2011, está relacionado com uma alegada rede de corrupção que teria como objetivo o favorecimento do grupo empresarial do sucateiro Manuel Godinho nos negócios com empresas do setor do Estado e privadas.

O julgamento na primeira instância terminou com a condenação de 11 arguidos a penas efetivas entre os quatro anos e os 17 anos e meio, mas três deles acabaram por ver a execução da pena suspensa, após recurso para o Tribunal da Relação do Porto.

 

Ver comentários