Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

SORTE GRANDE FICOU POR VENDER

O bilhete premiado com a taluda do fim-de-ano não chegou a a ser vendido, ficando, assim, os três milhões de euros do primeiro prémio na posse da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.
30 de Dezembro de 2002 às 23:53
Segundo João Gonçalves, responsável do Departamento de Jogos daquela instituição, “o dinheiro vai aumentar o grosso dos resultados líquidos da Casa da Misericórdia”.

Ou seja, estritamente de acordo com o que está estipulado na lei, um terço dos três milhões fica na Casa, enquanto os dois terços restantes revertem para o Estado, mais precisamente para a Direcção-Geral do Tesouro.

A Casa da Sorte só poderá regalar os seus “clientes” com os 250 euros do segundo prémio, vendido aos seus balcões. Até ao fim, 2002 vai ser mesmo um ano de pouca sorte.
Ver comentários