Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
9

Subchefe da PSP ferido à facada

Um subchefe da PSP da Cruz de Pau, Seixal, de 33 anos, sofreu duas facadas nas costas que lhe perfuraram um pulmão. Está internado em estado grave, mas estacionário, no Hospital Garcia de Orta, em Almada.
28 de Junho de 2006 às 00:00
A vítima foi atacada por três jovens, com idades entre os 16 e os 18 anos, que tentaram assaltar o filho de onze anos.
Nuno Lucas não trabalhou na última sexta-feira. Estava sentado ao computador quando, pouco depois do meio-dia, ouviu o filho a chegar a casa, na Rua Marechal Saldanha, na Quinta do Conde, Sesimbra. “O nosso filho e um amigo estavam a arrumar as bicicletas quando foram abordados por três jovens de 16 a 18 anos”, recordou Sandra Lucas ao CM.
Os três rapazes tentaram assaltar os dois amigos. Mas acabaram por não levar nada e fugiram.
Nuno Lucas foi atrás deles. “Ele ainda saiu a tempo de ver os três indivíduos pelas costas. Entrou no carro e arrancou para os tentar identificar”, disse ao CM a mulher do subchefe da PSP.
A cerca de 500 metros de casa, Nuno Lucas conseguiu interceptar os três jovens – que estavam muito nervosos. “O meu marido foi rodeado. Um deles ficou atrás dele”, diz Sandra Lucas. O subchefe sentiu duas facadas nas costas, mas ficou de pé. Os três suspeitos acabaram por conseguir fugir, mas ainda tiveram tempo de apedrejar o carro da vítima, partindo um dos vidros.
O polícia ainda encontrou forças para conduzir de regresso a casa. Quando saiu do carro apercebeu-se da gravidade da situação. O banco estava cheio de sangue. Levado de urgência para o Hospital Garcia de Orta, em Almada, foram-lhe detectados dois golpes de arma branca nas costas. Um deles perfurou-lhe o pulmão direito e provocou uma considerável perda de sangue.
Nuno Lucas está internado. Segundo fonte médica, não corre perigo de vida.
POLÍCIA PROCURA SUSPEITOS
Na última sexta-feira, horas depois da agressão ao subchefe Nuno Lucas, a GNR da Quinta do Conde deteve quatro suspeitos. No entanto, acabou por não ser possível reunir provas contra os jovens, que foram soltos. A Polícia Judiciária (PJ) de Setúbal, titular da investigação, aguarda assim pela alta hospitalar do subchefe Nuno Lucas, o único capaz de efectuar reconhecimentos credíveis. Para já, inspectores da PJ de Setúbal e militares do Núcleo de Investigação Criminal da GNR têm andado no terreno em trabalho de recolha de provas. “Foi para já possível concluir que os três suspeitos do crime são da Quinta do Conde”, disse ao Correio da Manhã fonte policial.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)