Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

"Fugir é um ato de cobardia": Paulo Guichard já está em liberdade

Ex-administrador do BPP foi detido há uma semana para cumprir a pena de prisão de 4 anos e 8 meses.
Débora Carvalho 14 de Outubro de 2021 às 15:10
A carregar o vídeo ...
Supremo aceita 'habeas corpus' e liberta Paulo Guichard
Paulo Guichard, ex-braço direito de Rendeiro no Banco Privado Português (BPP) foi libertado após o Supremo Tribunal aceitar o pedido de 'habeas corpus' em que a defesa pedia libertação imediata do ex-administrador do BPP. 

Os juízes decidiram libertar o ex-administrador do BPP, que foi preso há precisamente uma semana no aeroporto do Porto para cumprir a pena de prisão de 4 anos e 8 meses no âmbito do processo BPP.

A defesa tinha pedido a libertação imediata de Guichard por considerar ilegal a prisão do ex-banqueiro.

Em causa está uma reclamação pendente no Tribunal Constitucional. O entendimento do juiz de primeira instância foi, no entanto, diferente. Foram emitidos mandados de detenção que levaram à prisão de Paulo Guichard quando este regressou a Portugal vindo do Brasil.

Em declarações aos jornalistas, Guichard disse que foi reposta a "justiça e a verdade" quanto à sua situação, agradecendo aos advogados e ao Supremo Tribunal.

"Apresentei-me voluntariamente às autoridades e fui surpreendido com um mandato de captura. Claro que foi uma surpresa muito grande, mas respeito e respeitarei sempre as decisões das autoridades", referiu. "Fugir é um ato de cobardia e encarar é um ato de coragem. E foi isso que eu tentei fazer", acrescentou. 

Questionado sobre a última vez que falou com João Rendeiro, Paulo Guichard preferiu manter-se em silêncio. "São questões de foro privado. É uma cidadão que tem de assumir o que fez". 

Quanto à possibilidade de voltar a ser preso, Guichard disse que caso acontecesse o enfrentaria de cabeça erguida. "Quando cheguei a Portugal sabia o que me esperava e que tinha uma cruz para suportar nas costas. Da mesma forma que saí hoje se tiver de voltar a entrar vou fazê-lo com a cabeça erguida".
Supremo Tribunal Paulo Guichard BPP economia negócios e finanças economia negócios e finanças
Ver comentários