Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

“Tanto vou preso por matar um como dois”

Julgado por violência doméstica sobre os pais, que eram agredidos e ameaçados de morte.
Nelson Rodrigues 23 de Outubro de 2016 às 01:45
Vítimas impedidas de se aproximar das janelas para alertar vizinhos
Vítimas impedidas de se aproximar das janelas para alertar vizinhos FOTO: Ricardo Cabral
O casal vivia aterrorizado. O filho de 35 anos ameaçava os pais constantemente de morte, perseguia-os com facas, agredia-os e dizia que um dia lhes ia incendiar a casa em que viviam, em Santo Tirso. "Vou-vos matar. Tanto vou preso por matar um como dois. Estou preso 25 anos e ainda saio antes dos 60", disse o arguido aos pais - como se pode ler no processo, consultado pelo CM. O homem já está a ser julgado, no Tribunal de Matosinhos, por dois crimes de violência doméstica.

O arguido, que está em preventiva, era bastante agressivo. No processo estão descritos vários episódios de violência ao pai, de 59 anos. Em julho deste ano, depois de lhe pedir dinheiro, o arguido agarrou-o pelo pescoço e disse que o ia matar. A vítima conseguiu escapar, mas foi perseguida pelo filho, de faca em punho, durante vários quilómetros . "Um dia vou matá-lo a si e à mãe", disse o homem.

O agressor, que já cumpriu uma pena de cadeia de quatro anos por violência doméstica, ameaça agravada e ofensas à integridade física qualificada, impedia os pais de ligarem para a GNR e de se aproximarem das janelas da casa para poderem alertar os vizinhos. A mãe, uma mulher de 57 anos, também foi atacada. Em março deste ano, o arguido tentou esmagar-lhe o pescoço entre as portadas de uma janela. Chegou a atirar pedras a uma patrulha da GNR, à porta de casa, tentou roubar um bastão a um militar e apontou-lhe um canivete. "Vou-vos matar um por um", ameaçou.
Santo Tirso Tribunal de Matosinhos GNR
Ver comentários