Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

TEM DINHEIRO MAS NÃO LHE PODE TOCAR

Adelino Possante, de 61 anos, com uma conta bancária aonde estão depositados cerca de 175 mil euros, vive desesperado, sem dinheiro para comprar um pão que seja.
31 de Janeiro de 2003 às 00:00
Este homem possui o dinheiro que nunca sonhou vir a ter, fruto dos subsídios à agricultura que ali se vão avolumando. Após o seu divórcio, e actualmente com um processo de inventário a correr, em que ele é cabeça de casal, a sua conta está arrolada e o banco não o deixa movimentá-la.

Segundo explicou ao Correio da Manhã o seu advogado, nada impede o seu cliente de mexer na conta, uma vez que ele é, por ordem da justiça, cabeça de casal. A mesma certeza não tem o banco que, entretanto, pediu ao Tribunal de Ponte de Sor que clarifique a questão. A resposta tarda e a situação deste homem, proprietário e pastor, agrava-se. Neste momento, pensa já vir a fazer greve de fome em frente ao tribunal.

“Já ninguém me empresta dinheiro e eu devo a todos. As minhas ovelhas estão com brucelose e não são vacinadas porque o veterinário já não o quer fazer”, explicou.

A viver numa carrinha, Adelino Possante quer deixar a actividade de pastor – com a qual ficou na altura em que foi nomeado cabeça de casal –, por sofrer de problemas de saúde.

Graves problemas no coração já o obrigaram a vários internamentos hospitalares. “O médico disse-me que tenho que ter uma vida sossegada, mas o tribunal ainda não respondeu aos requerimentos do meu advogado, enviados em 2001, para que eu deixe de ser cabeça de casal. E nem dinheiro tenho para os remédios”, desabafou.

Há meses a aguardar a resposta do tribunal relativamente ao movimento da sua conta bancária, Adelino Possante viu em Dezembro último o seu rebanho de ovelhas ser penhorado pelo Tribunal de Ponte de Sor.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)