Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

Testemunha viu Palito e filha a "disputarem a arma"

Manuel Baltazar, de 61 anos, está acusado de quatro crimes de homicídio qualificado em S. João da Pesqueira.
23 de Fevereiro de 2015 às 16:53
Manuel Pinto Baltazar, de 59 anos, disparou sobre quatro familiares em Valongo dos Azeites, São João da Pesqueira
Manuel Pinto Baltazar, de 59 anos, disparou sobre quatro familiares em Valongo dos Azeites, São João da Pesqueira FOTO: Ana Borges Pinto

Uma testemunha disse esta segunda-feira em tribunal ter visto o presumível homicida de S. João da Pesqueira, Manuel Baltazar, e a filha, Sónia Baltazar, a disputarem a arma com que supostamente esta foi atingida, em abril de 2014.

Segundo a acusação, Manuel Baltazar, de 61 anos, disparou uma arma tipo caçadeira contra a filha e a ex-mulher (Sónia Baltazar e Maria Angelina Baltazar, que ficaram feridas) e duas familiares desta (a tia e a mãe, Elisa Barros e Maria Lina Silva, que morreram), em Valongo dos Azeites.

Além dos quatro crimes de homicídio qualificado (dois dos quais na forma tentada), o arguido está acusado de um crime de detenção de arma proibida e outro de violação de proibições ou interdições.

Durante a manhã desta segunda-feira, foi ouvido no Tribunal de Viseu Diogo Helena, que no dia 17 de abril de 2014 andava a trabalhar numa obra perto do local dos crimes: uma casa com um forno onde as quatro mulheres estavam a fazer bolos para a Páscoa.

Testemunhou incidente

Diogo Helena disse ter visto Manuel Baltazar passar de carro pelas 16h00 e, "um, dois minutos" depois, ouvido "um barulho", logo seguido de outro, que pareceram disparos.

A testemunha contou que foi com mais dois trabalhadores que andavam na obra ver o que se passava, tendo deparado com Manuel Baltazar a segurar a arma e a filha agarrada ao cano. Esta estava a ser arrastada pelo pai, já fora do portão da casa, e tentava sempre manter o cano virado para o chão. "A boca do cano andou sempre da cintura para baixo", afirmou.

Diogo Helena, que estaria a cerca de dez metros de distância, disse também ter visto Maria Lina "com um pau, talvez uma bengala", a tentar acertar em Manuel Baltazar. Tendo-se apercebido de que a arma estava a escorregar das mãos de Sónia e a ficar cada vez mais na pose de Manuel Baltazar e que este "estava de cabeça perdida", os três homens fugiram com medo, admitiu.

A testemunha contou ter ouvido um terceiro tiro ainda antes de terem entrado na garagem onde se resguardaram e o que pareceu um quarto, quando já estavam a fechar o portão, sendo que, relativamente a este, ele e os colegas têm dúvidas.

Alertaram a GNR

Os três homens ligarem depois para a GNR a alertar para a situação e mantiveram-se escondidos durante cerca de 15/20 minutos, só tendo regressado ao local dos crimes quando já se encontrava lá a GNR, acrescentou.

Desde a primeira sessão que o advogado de Manuel Baltazar, Manuel Rodrigues, tenta provar que o tiro que atingiu Sónia Baltazar foi acidental e que houve três disparos e não quatro. "A investigação tem muitas lacunas", reiterou aos jornalistas durante o intervalo para almoço.

Quatro tiros

Durante a manhã, foi ainda ouvido o viúvo de Elisa Barros, António Barros, que estava a lavar o carro "num anexo a cerca de 30/40 metros" e disse ter ouvido quatro disparos. Quando se deslocou para o local do forno, viu Manuel Baltazar "a fugir com muita velocidade" de carro, tendo depois encontrado as quatro mulheres, acrescentou.

Segundo António Barros, a sua esposa "andava sempre a proteger a sobrinha" de Manuel Baltazar, o que considera ter motivado o ódio deste. 

Durante a tarde desta segunda-feira, devem ser ouvidas testemunhas de acusação.

tribunal homicida S. João da Pesqueira Manuel Baltazar testemunha palito filha disputar arma
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)