Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Tia e sobrinho mantinham laboratório de droga

A PSP da Amadora acredita ter encerrado um laboratório clandestino de ‘corte’ de estupefacientes, localizado nos arredores do Cacém, Sintra. O imóvel era utilizado por uma rede de tráfico de droga, gerida por uma mulher e por um homem, respectivamente, tia e sobrinho, especializados na venda de drogas duras.
14 de Março de 2007 às 00:00
Tia e sobrinho usavam um apartamento perto do Cacém para o corte da droga
Tia e sobrinho usavam um apartamento perto do Cacém para o corte da droga FOTO: d.r.
Tal como foi noticiado no CM de sábado, a operação aconteceu após alguns meses de investigações.
Uma mulher, de 52 anos, e o sobrinho, de 32, ambos cabo-verdianos, terão sido colocados em Portugal por uma rede internacional de tráfico de droga.
“Arranjaram residência no concelho de Sintra, com o intuito de vender o máximo possível de droga, enviar para o país de origem os lucros conseguidos e depois voltar para casa”, disse ao nosso jornal fonte policial.
Para o efeito, a rede alugou um apartamento em São Marcos, Cacém, onde construiu uma autêntica fábrica de transformação e empacotamento de droga. “Além de armazenamento de estupefacientes, o andar servia para transformar e embalar cocaína e heroína, posteriormente vendidas na rua”, acrescentou o informador.
O leque de clientes da rede começou a aumentar, até que tia e sobrinho já não precisavam de ir ao seu encontro para fazer as entregas. “Eram contactados por telefone e os interessados iam, eles próprios, levantar o produto”, salientou a mesma fonte.
A investigação policial acabou, no entanto, por ser desencadeada graças às denúncias de populares, que presenciaram a vendas de rua feitas por tia, sobrinho e outros operacionais da rede, em zonas como Monte Abraão, Massamá, e Cacém.
Na última quinta-feira, uma brigada da Esquadra de Investigação Criminal (EIC) da PSP da Amadora interceptou um dos suspeitos em Massamá, durante uma vigilância. O indivíduo foi apanhado com 796,8 gramas de cocaína, de elevada pureza.
A detenção foi o passaporte de que a PSP necessitava para entrar no laboratório usado pela rede. “Nesse local foram apreendidos 328,64 gramas de heroína pura, um revólver (calibre .38 special), 20 munições do mesmo calibre, 11 munições 7,65 mm e 9,9 quilos de Redrate, produto para transformar estupefacientes”, referiu
A intercepção do primeiro indivíduo permitiu chegar à mulher que também geria a rede. Na residência da suspeita, em Monte Abraão, foram apreendidas 125 doses de heroína, 122 de cocaína, 165 euros, dois telemóveis e vários documentos.
Por determinação de um juiz da comarca de Sintra, o indivíduo recolheu em prisão preventiva e a tia ficou sujeita a apresentações à PSP.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)