Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
9

Trabalhadores da Transportes Sul do Tejo suspendem greve desta quarta-feira

Motoristas dos autocarros estavam a cumprir uma greve de 48 horas, pelo quarto mês consecutivo, reivindicando um ordenado de 750 euros.
11 de Junho de 2019 às 12:19
Transportes Sul do Tejo (TST)
Transportes Sul do Tejo (TST)
TST
TST
Transportes Sul do Tejo (TST)
Transportes Sul do Tejo (TST)
TST
TST
Transportes Sul do Tejo (TST)
Transportes Sul do Tejo (TST)
TST
TST
Os motoristas da Transportes Sul do Tejo (TST) decidiram esta terça-feira suspender a greve de quarta-feira depois de chegarem a acordo com a empresa, aceitando um salário de 700 euros, informou fonte sindical.

"O plenário decidiu aceitar a proposta da empresa, ou seja, 685 euros em julho e agosto, e depois 700 euros a partir de setembro e até ao final do ano", adiantou à Lusa João Saúde, da Fectrans -- Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações.

Segundo o sindicalista, a rodoviária da península de Setúbal deu também a garantia de se iniciarem já as negociações sobre outros pontos, como o trabalho extraordinário, as diuturnidades e o subsídio de alimentação.

"Com base nessa garantia do senhor administrador, os trabalhadores deram aval aos sindicatos para suspender a greve", referiu, acrescentando que a paralisação vai manter-se neste primeiro dia (esta terça-feira) e só está suspensa na quarta-feira.

A proposta com o novo valor salarial foi feita aos sindicatos na semana passada, mas só esta terça-feira, no primeiro dia de greve, foi comunicada aos cerca de 500 trabalhadores que estiveram reunidos em plenário, na sede da empresa, em Almada, no distrito de Setúbal.

Os sindicatos estão desde as 13h00 reunidos com o novo administrador da TST, José Pires Fonseca, que iniciou funções em 03 de junho.

A agência Lusa tentou contactar a administração da empresa, mas não foi possível obter declarações.

Os motoristas da TST iniciaram esta terça-feira uma greve de 48 horas, pelo quarto mês consecutivo, a qual está a registar uma adesão de 95% e a causar supressão de carreiras em toda a península de Setúbal, incluindo as ligações a Lisboa.

O aumento salarial para 750 euros tem sido a principal reivindicação destes trabalhadores, que dizem receber os "ordenados mais baixos" no setor rodoviário na Área Metropolitana de Lisboa.

A TST, detida pelo grupo Arriva, desenvolve a sua atividade na península de Setúbal, com 190 carreiras e oficinas em quatro concelhos: Almada, Moita, Sesimbra e Setúbal.
TST Setúbal Lisboa economia negócios e finanças trabalho macroeconomia transportes
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)