Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Tratamentos feitos em sala de reuniões

Remoção de amianto limita funcionamento de Centro de Saúde de Silves.
Diana Santos Gomez 24 de Novembro de 2018 às 09:53
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Centro de Saúde de Silves
Há duas semanas que o funcionamento do Centro de Saúde de Silves está condicionado, com o início dos trabalhos para a remoção do telhado de fibra de amianto. Para agravar a situação, a chuva dos últimos dias provocou diversas infiltrações, com paredes a escorrer água. "Em algumas salas chegou mesmo a chover no interior, e perto do quadro elétrico central", segundo profissionais do centro de saúde confirmaram ao CM.

Ao longo de vários dias o atendimento aos utentes foi improvisado "numa sala de reuniões, utilizada para tratamentos, sem condições mínimas de higiene", relatam. A situação entretanto foi resolvida mas, para Nuno Manjua, do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, não é aceitável. "Qualquer sala de tratamentos tem de ter um espaço para lavar as mãos, para evitar infeções", critica. E reforça que "não há suficiente diálogo com os profissionais, não foram tomadas as medidas necessárias, algo aqui falhou".

Contactada pelo CM, a Administração Regional de Saúde do Algarve garantiu que até ao final do ano a situação será resolvida, reconhecendo alguns constrangimentos que considera não colocar em causa o atendimento aos utentes. Manjua diz que "não é razoável que até ao final do ano continue a chover dentro das salas, limitando o acesso aos gabinetes". As críticas às condições do Centro de Saúde de Silves não são novas. Já houve queixas pela falta de água quente e pela colocação de aquecedores a óleo em zonas de saúde infantil.
Ver comentários