Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Treze anos de prisão por balear GNR em Coimbra

Artur Anjos foi detido dias depois em Espanha.
Mário Freire 18 de Setembro de 2020 às 09:09
Artur Anjos
Artur Anjos FOTO: Direitos Reservados
“O senhor teve uma conduta inqualificável”. Foi desta forma que o presidente do coletivo de juízes do Tribunal de Coimbra se dirigiu a Artur Anjos, que foi esta semana condenado a 13 anos de prisão por ter disparado contra um carro patrulha da GNR. Na viatura seguiam dois militares, que ficaram feridos após os disparos - um foi atingido por um projétil na cara e o outro com estilhaços de vidro.

Tudo aconteceu na madrugada de 15 de junho do ano passado, no IC2, em Cernache, Coimbra. A patrulha deu ordem de paragem ao carro do suspeito, depois de verificar que os ocupantes iam sem o cinto de segurança e num veículo que tinha chumbado na inspeção.


O Artur Anjos não obedeceu, disparou três tiros e fugiu. Foi detido dias depois em Espanha.
Tribunal de Coimbra GNR Coimbra Artur Anjos crime lei e justiça questões sociais crime
Ver comentários