Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

Treze anos de prisão por balear GNR em Coimbra

Artur Anjos foi detido dias depois em Espanha.
Mário Freire 18 de Setembro de 2020 às 09:09
Artur Anjos
Artur Anjos FOTO: Direitos Reservados
“O senhor teve uma conduta inqualificável”. Foi desta forma que o presidente do coletivo de juízes do Tribunal de Coimbra se dirigiu a Artur Anjos, que foi esta semana condenado a 13 anos de prisão por ter disparado contra um carro patrulha da GNR. Na viatura seguiam dois militares, que ficaram feridos após os disparos - um foi atingido por um projétil na cara e o outro com estilhaços de vidro.

Tudo aconteceu na madrugada de 15 de junho do ano passado, no IC2, em Cernache, Coimbra. A patrulha deu ordem de paragem ao carro do suspeito, depois de verificar que os ocupantes iam sem o cinto de segurança e num veículo que tinha chumbado na inspeção.


O Artur Anjos não obedeceu, disparou três tiros e fugiu. Foi detido dias depois em Espanha.
Tribunal de Coimbra GNR Coimbra Artur Anjos crime lei e justiça questões sociais crime
Ver comentários