Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

Turismo religioso já vale 500 milhões de euros

O chamado ‘sol e praia’ ainda é responsável por mais de 40 por cento do turismo português, mas, aos poucos, outras áreas, como a cultura, religião e a natureza vão conquistando cada vez mais adeptos, tanto em Portugal como no estrangeiro.
17 de Outubro de 2006 às 00:00
As celebrações religiosas, como procissões e peregrinações, são cada vez mais concorridas
As celebrações religiosas, como procissões e peregrinações, são cada vez mais concorridas FOTO: d.r.
Uma das áreas em franco crescimento é a do turismo religioso, que ascende já a cinco por cento do movimento turístico nacional (número de pessoas e receitas), o que equivale a uma verba anual próxima dos 500 milhões de euros.
O assunto vai estar em debate, em finais deste mês, num congresso internacional, em Vila Nova de Famalicão, onde vários especialistas vão realçar a importância crescente do turismo cultural e religioso para o nosso país.
“O religioso puro, relacionado com peregrinações, procissões e outras celebrações religiosas, representa apenas cinco por cento do volume turístico do País, mas se lhe juntarmos o turismo cultural e de natureza estaremos a falar numa fatia de 52 por cento, ou seja, de mais de metade do bolo turístico nacional, que ronda os dez mil milhões de euros [dez por cento do PIB]”, disse ao Correio da Manhã Américo Rodrigues, director da Turel, a entidade organizadora do congresso de Famalicão.
E a verdade é que a importância do religioso tem crescido, já que, nos estudos realizados em 2002, representava apenas três por cento, contra os cinco por cento de hoje.
Adelino Gonçalves, operador turístico, com agências em Portugal, Espanha, França e Suíça, disse ao CM que “lá fora as pessoas olham com grande interesse para os programas de índole cultural e religiosa que apresentamos e, muitas vezes, pedem para organizarmos semanas para grupos, centradas em Fátima, Braga e Santiago de Compostela [Galiza]”.
Diz este responsável que “Portugal está a ser vendido como terra de religião e cultura” e que “as visitas aos grandes monumentos nacionais, aos principais santuários e às áreas de paisagem protegida têm cada vez mais sucesso no estrangeiro”.
14 MILHÕES DE PEREGRINOS
PATRIMÓNIO
A fronteira entre o cultural e o religioso é ténue, já que muito do cultural que Portugal tem, sobretudo em termos de património, tem génese religiosa. Santuários, mosteiros e igrejas, espalhados por todo o País, representam mais de metade da oferta nacional, ao nível do património arquitectónico.
SANTUÁRIOS
Os seis maiores santuários do País receberam, em 2005, mais de 14 milhões de visitantes. Fátima, o mais visitado, recebeu cerca de seis milhões de peregrinos; S. Bento da Porta Aberta, 2,5 milhões; Sameiro, dois milhões; Bom Jesus, 1,5 milhões; Penha, 1,2 e Senhora dos Remédios, 800 mil.
JORNADAS
Nos dias 27 e 28 deste mês o turismo religioso ibérico vai estar em debate em Vila Nova de Famalicão. O encontro vai juntar os empresários João Lagos e Miguel Champalimaud, o presidente do Instituto do Turismo, Luís Patrão e o director-geral do turismo da Galiza, Ruben Lois González.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)