Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

Turistas vigiadas por câmara na casa de banho de alojamento local

Aparelho estava numa tomada da casa de banho e acabou confiscado pelas autoridades.
José Eduardo Cação e Catarina Figueiredo 22 de Junho de 2019 às 01:30
Câmara oculta encontrada na casa de banho de casa de turistas em Matosinhos
Câmara oculta encontrada na casa de banho de casa de turistas em Matosinhos
Câmara oculta encontrada na casa de banho de casa de turistas em Matosinhos
Câmara oculta encontrada na casa de banho de casa de turistas em Matosinhos
Câmara oculta encontrada na casa de banho de casa de turistas em Matosinhos
Câmara oculta encontrada na casa de banho de casa de turistas em Matosinhos
Câmara oculta encontrada na casa de banho de casa de turistas em Matosinhos
Câmara oculta encontrada na casa de banho de casa de turistas em Matosinhos
Câmara oculta encontrada na casa de banho de casa de turistas em Matosinhos
Câmara oculta encontrada na casa de banho de casa de turistas em Matosinhos
Câmara oculta encontrada na casa de banho de casa de turistas em Matosinhos
Câmara oculta encontrada na casa de banho de casa de turistas em Matosinhos
Câmara oculta encontrada na casa de banho de casa de turistas em Matosinhos
Câmara oculta encontrada na casa de banho de casa de turistas em Matosinhos
Câmara oculta encontrada na casa de banho de casa de turistas em Matosinhos
"Primeira noite no Porto e encontrámos uma câmara de vídeo na casa de banho. Foi um momento muito constrangedor." A descrição é feita, nas redes sociais, por Rubee Woo, uma das três jovens turistas, naturais da Malásia, que, na madrugada de quinta-feira, descobriram uma microcâmara oculta numa tomada da casa de banho do apartamento de Alojamento Local onde estavam hospedadas, em Leça do Balio, Matosinhos.

"Podia dizer 200 coisas boas sobre a casa e o proprietário, que foi muito amigável. Não dá para acreditar que isto aconteceu", relatou a jovem malaia, numa publicação que correu o Mundo durante esta sexta-feira.

As turistas chamaram a PSP, que identificou o proprietário, residente no andar de baixo do mesmo prédio e agora indiciado pelo crime de devassa da vida privada.

A câmara foi apreendida e o caso foi para o Ministério Público, que poderá ordenar posterior investigação, já que a habitação era bastante frequentada e tinha excelente pontuação da parte dos hóspedes.

"Fizemos as malas, demos as chaves à Polícia e fomos embora. O senhorio nem se atreveu a olhar para nós", conta Rubee que, entretanto, foi realojada com as amigas, pela mesma plataforma de reservas, num outro apartamento.

O CM tentou contactar o proprietário da casa, por telefone e na própria habitação, mas sem sucesso. O crime de devassa privada incorre numa pena de um ano de prisão ou multa.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)