Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

Tutela diz que fecho de Casa do Gaiato em Paredes se deveu às "deficientes condições"

Fiscalização apurou haver "graves irregularidades" na instituição.
8 de Novembro de 2018 às 19:47
Idosa
Idosa
Idosa
Idosa
Idosa
Idosa
A Segurança Social justificou esta quinta-feira o encerramento da Casa do Gaiato em Beire, Paredes, com as "deficientes condições das instalações e insuficiência de recursos humanos, que colocavam em perigo iminente a integridade de utentes".

Num comunicado do Instituto da Segurança Social (ISS) enviado à Lusa, refere-se que uma ação de fiscalização apurou haver "graves irregularidades", nomeadamente "deficientes condições das instalações e de segurança e insuficiência de recursos humanos, que colocavam em perigo iminente a integridade de utentes".

Concluiu-se ainda, segundo o comunicado, "pela necessidade de se proceder ao encerramento urgente da resposta social, tendo a Segurança Social, através das suas equipas técnicas, desenvolvido as diligências necessárias ao encaminhamento dos utentes para estabelecimentos licenciados".

O ISS informa também que, "dada a ausência de qualquer responsável na instituição e em ordem a garantir a normalidade da ação, contactou-se de imediato as forças policiais, como habitualmente sucede, que coadjuvaram, ao longo da tarde, as equipas na realização da referida ação".

A tutela assinala, por outro lado, que a ação inspetiva ocorreu no "seguimento de denúncias e após solicitação e comunicação do Ministério Público efetuada no âmbito de um inquérito.

A direção da Casa do Gaiato de Paredes, contactada hoje pela Lusa, confirmou a ação da Segurança Social, mas criticou a forma como se procedeu à retirada dos utentes da instituição, todos doentes, quando se procedia ao encerramento.

"Aquilo que preocupa é que eles [doentes] sofrem com esta retirada perfeitamente desumana que lhes fizeram", afirmou o padre Júlio Pereira, que dirige a instituição.

O responsável considera que a ação da Segurança Social não se justificava, negando a falta de condições das instalações.

"Não tem qualquer fundamento essa afirmação. A nossa Casa do Calvário tem todas as condições para funcionar, como já funciona há 60 anos", referiu, sublinhando que a Casa do Gaito tem "um modelo de funcionamento que não é o da segurança social".

Ao contrário do que se referiu no comunicado do ISS, o responsável pela instituição referiu que não se verificou a presença de forças policiais a acompanhar a operação.

"Eles começaram a levar os primeiros doentes. O que é certo é que a polícia nunca apareceu. A partir desse momento, eu disse: não levam mais doentes, têm de trazer um documento ou a polícia a atestar a autoridade para fazerem isto", contou.

O padre António Pereira explicou que a instalações de Beire são formadas por duas casas. Na Casa do Calvário estão 14 utentes, ali designados "rapazes com incapacidade de autonomia, todos acima dos 40 e 50 anos de idade". Esses, precisou, ainda se mantêm na Casa do Calvário.

Quanto à Casa do Gaiato de Beire, onde estavam 50 utentes, todos com doenças crónicas, restam sete ou oito, anotou. Os restantes foram transferidos para outras instituições.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)