Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Vento forte dificulta luta contra fogos

O vento forte, com mudanças de direcção constantes, foi ontem o maior inimigo dos bombeiros no combate aos fogos florestais. Em todo o País estiveram activos 13 grandes incêndios, os mais graves em Sardoal e Mértola/Alcoutim.
21 de Agosto de 2007 às 00:00
Em Setúbal, o vento empurrou o fogo até junto das portagens da A2
Em Setúbal, o vento empurrou o fogo até junto das portagens da A2 FOTO: A-gosto.com
Em Ribeira do Vascão, Mértola, o fogo começou às 10h28 e ao final do dia ainda estava a ser combatido por 129 bombeiros, apoiados por 37 viaturas e quatro meios aéreos. Arderam pelo menos 200 hectares do parque Natural do Guadiana e o fogo já tinha passado para Alcoutim (Algarve). “O vento tem mudado de direcção constantemente e, embora seja fraco-moderado, estamos numa zona de pasto e mato rasteiro e depressa o fogo atinge grandes proporções”, disse Carlos Pica, segundo comandante do CDOS de Beja.
No Sardoal, o incêndio deflagrou pelas 13h30 e foi combatido durante o dia por 200 bombeiros, apoiados por 59 veículos e seis meios aéreos. “O nosso inimigo número um é o vento”, afirmou Vítor Bertelo, do CDOS de Santarém, explicando que as rajadas provocam “projecções” e “surgem novos incêndios 300 metros à frente de um foco. É uma luta desigual”. Em Setúbal, o vento empurrou um incêndio até à A2. Ao início da noite havia ainda fogos por controlar em Abrantes e Tomar.
Quinze dos 18 distritos estiveram ontem sob aviso Amarelo – o segundo de uma escala de quatro – devido ao vento forte.
ÉPOCA POSIVTIVA
MINISTRO SATISFEITO
O ministro da Administração Interna, Rui Pereira, afirmou ontem que “o que tem acontecido de positivo” na prevenção e combate a fogos este ano “não decorre da sorte” mas da “excelente coordenação política e operacional”. O ministro sublinhou ainda que “em 2002, o risco de incêndio era idêntico e o número de fogos e extensão de área ardida foi 10 vezes superior”.
INCENDIÁRIO DETIDO
A PJ da Guarda anunciou ontem a detenção de um agricultor, de 29 anos, suspeito da autoria de pelo menos dois incêndios que deflagraram nos dias 5 e 11 deste mês em Girabolhos, Seia. “Trata-se de um indivíduo com características de um verdadeiro pirómano”, que agiu por “motivos fúteis”, disse fonte da PJ. O agricultor ficou em prisão preventiva. Este ano já foram detidas três dezenas de pessoas suspeitas de fogo posto.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)