Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Verão com mais mortes na estrada

Mais três pessoas morreram nas estradas portuguesas no Verão deste ano do que no ano passado. Apesar dos maus resultados, o ministro da Administração Interna, Rui Pereira, mostra-se optimista em relação às campanhas de combate à sinistralidade rodoviária.
18 de Setembro de 2008 às 00:30
Rui Pereira está optimista, apesar do aumento de mortes no Verão
Rui Pereira está optimista, apesar do aumento de mortes no Verão FOTO: Vítor Mota

"Em meados dos anos 80, tínhamos mais de 2600 mortos por ano nas estradas. A partir do ano 2006 conseguimos reduzir para menos de 900 mortos, graças ao empenho das forças de segurança e de todos os cidadãos", disse o governante numa cerimónia de apresentação do balanço das operações de Verão, salientado o papel dos governos civis nas campanhas de segurança rodoviária.

Rui Pereira destacou a actuação da GNR e da PSP, que nas operações de Verão, realizadas entre 15 de Junho e 15 de Setembro, fiscalizaram mais de 500 mil condutores, dos quais cerca de 7500 foram detidos e 130 mil foram interceptados a cometer infracções. "Não se trata de caça à multa; é uma actividade das forças de segurança que pode salvar vidas humanas, já que oscondutoresinterceptados, principalmente os que conduziam com álcool, podiam provocar acidentes graves."

Também o presidente da Autoridade Nacional da Segurança Rodoviária, Paulo Marques, salientou a evolução em termos de sinistralidade em Portugal, referindo que os dados sobre mortes e feridos graves em acidentes rodoviários, entre o início do ano e 15 de Setembro, apontam para reduções na ordem dos 50 por cento em relação a 2006.

"Portugal estava sempre na cauda da Europa no que diz respeito à sinistralidade rodoviária, mas conseguimos dar a volta à situação", disse Paulo Marques. De facto, o nosso país e a França foram os dois países europeus em que os índices de sinistralidade mais baixaram.

Ver comentários