Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
9

Vestígios dos romanos junto ao mar em Espinho

Armadilha de pesca em madeira ficou à vista na praia do Pau de Manobra, em Silvalde.
Paulo Jorge Duarte 23 de Agosto de 2018 às 08:28
Ambiente, erosão
Ambiente, erosão FOTO: Paulo Jorge Duarte
A forte erosão verificada na praia do Pau da Manobra, na freguesia de Silvalde, Espinho, deixou a descoberto vestígios arqueológicos de uma estrutura em madeira, um pesqueiro fixo datado do século II d. C., construído pelos romanos.

"Trata-se de uma antiga estação arqueológica. Era uma armadilha de pesca em madeira, revestida a vime, da época romana. Como ficou enterrada na areia, foi possível a sua preservação", revelou ao CM o arqueólogo Jorge Salvador.

Segundo a câmara, um idêntico fenómeno de erosão ocorreu em 1989, permitindo então identificar essa estrutura de pesca, que motivou um estudo inédito a nível europeu.

Entre os vestígios a descoberto, há blocos de turfa de cor negra e raízes de árvores que a autarquia garante que não têm qualquer perigo para os banhistas. Porém, numa praia que até tem bandeira azul, a água escura e suja por causa dos sedimentos de madeira fossilizados causou mesmo preocupação entre os veraneantes.

"Foi uma grande surpresa, infelizmente desagradável, chegar à praia e verificar que o areal desapareceu. A água está suja e não tomo banho porque tenho receio que esteja contaminada" disse, ao Correio da Manhã, Laura Teixeira, frequentadora do local.

"Fizemos os testes da qualidade da água e os resultados são bons. A bandeira vermelha está hasteada apenas por causa do nevoeiro", esclareceu, ainda ontem, Joaquim Sá, chefe de divisão da câmara.

O reforço do esporão da praia da Baía, em Espinho, poderá explicar o movimento erosivo do mar. "Não posso confirmar essa causa sem uma base científica. A autarquia vai questionar a Agência Portuguesa do Ambiente sobre essas razões" acrescentou o mesmo técnico da autarquia.
Ver comentários