Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

Viola ex-namorada durante 17 horas

Violada, agredida, amordaçada, manietada e sequestrada na mala de um carro. Durante cerca de 17 horas, uma mulher de 37 anos sofreu a fúria do ex-namorado e de um amigo daquele, até ser libertada pela PSP da Maia. Os dois jovens, de 18 e 24 anos, foram entregues à PJ do Porto e ontem presentes ao Tribunal da Maia.
26 de Outubro de 2010 às 00:30
Os dois jovens foram presentes ao Tribunal da Maia, ontem à tarde
Os dois jovens foram presentes ao Tribunal da Maia, ontem à tarde FOTO: Joanan Neves Correia

O agressor de 24 anos foi sábado à noite à casa da ex-namorada na zona do Fouradouro, em Ovar. Esperou até às 21h00 que a mulher chegasse do emprego e já dentro da casa dela amordaçou-a e agrediu--a. Meteu a vítima dentro da mala do carro e levou-a para uma zona de mato, onde forçou a ex-companheira, natural de Coimbra, a ligar à mãe. No Monte, a mulher foi forçada a dizer à família que não queria mais falar com ela e que ia passar a viver com o ex-namorado. A mãe da vítima estranhou o telefonema e foi de imediato ao apartamento da filha, que encontrou vazio.

Entretanto, o ex-companheiro já tinha ido para a cidade da Maia, na zona da Barca, onde manteve a mulher sequestrada. Esperou uma hora até que um amigo chegasse. Em vez de denunciar a situação e salvar a vítima, o jovem de 18 anos aceitou participar no pesadelo da mulher. Os dois jovens terão violado e agredido a vítima.

Às autoridades, o jovem, empregado fabril, disse estar loucamente apaixonado pela ex-companheira, que violentou. A libertação só veio a acontecer depois de a mãe ter dado a morada do jovem à PSP da Maia, que interceptou os dois agressores numa rua, perto da casa onde a vítima estava sequestrada. Quando entraram no apartamento, encontraram a mulher com várias marcas de agressão. Em choque, apenas conseguiu dizer que tinha sido violada pelo homem com quem já tinha partilhado a vida e também pelo amigo.

Os dois jovens foram entregues à PJ, que ontem os levou ao Tribunal da Maia, para o primeiro interrogatório, que começou às 15h00.

Após mais de 8 horas interrogatório, o juiz decidiu que o homem de 24 anos vai aguardar julgamento em prisão domiciliária. O cúmplice, de 18 anos, saiu em liberdade com apresentações periódicas.

Violação Rapto Maia Ovar
Ver comentários