Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
2

Vítimas do incêndio de Monchique revoltadas com EDP

Empresa diz ter convicção de que a origem do fogo não esteve não esteve na linha elétrica.
Rui Pando Gomes 24 de Fevereiro de 2020 às 08:53
Fogo consumiu mais de 27 mil hectares de floresta e provocou estragos em 74 casas, 30 das quais de primeira habitação
Fogo consumiu mais de 27 mil hectares de floresta e provocou estragos em 74 casas, 30 das quais de primeira habitação FOTO: Filipe Farinha/Lusa
Mais de uma centena de moradores de Monchique que foram lesados pelo incêndio de 2018 estão revoltados com a posição da EDP, que continua a negar responsabilidade pelos estragos, apesar de a empresa e um colaborador terem sido constituídos arguidos pelo Ministério Público.

O incêndio deflagrou no dia 3 de agosto de 2018 na zona da Perna Negra e a Polícia Judiciária apontou uma linha elétrica de media tensão como a causadora do fogo. Foram consumidos mais de 27 mil hectares de floresta e de terrenos agrícolas. O fogo destruiu 74 casas, 30 das quais de primeira habitação.

Após ser constituída arguida, a EDP garantiu estar "convicta de que a origem do incêndio não esteve na rede elétrica, tendo em conta que o ponto de ignição, identificado pela Autoridade Nacional de Proteção Civil, não tem nenhuma linha elétrica nas suas proximidades".

Já as vítimas do fogo, que integram a associação Monchique Alerta, expressam a sua "confiança nos investigadores policiais e do Ministério Público de Portimão", e pedem para que "estas entidades não cedam às tentativas da EDP de negar a sua responsabilidade".

Os lesados acreditam que "chegará o momento de a EDP reconhecer a sua responsabilidade e de se aproximar das vítimas com vista a aceitar eventuais pedidos de indemnização, para que Monchique possa finalmente receber justiça, e para que os seus habitantes possam ser pagos pelos danos materiais e prejuízos económicos".
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)