Vítimas operadas após violações

Apanhava as vítimas à saída do trabalho e violava-as de forma violenta e repetitiva. A brutalidade das agressões foi tanta que duas das vítimas foram operadas, sendo que uma delas levou 27 pontos.
29.11.10
  • partilhe
  • 0
  • +
Vítimas operadas após violações
Foto Ricardo Cabral

O angolano, de 33 anos, foi detido em Maio pela Polícia Judiciária do Porto, que há algumas semanas concluiu o inquérito. O processo, no qual a Judiciária propõe que o homem seja acusado de três violações, está nas mãos do Ministério Público.

Os inspectores acreditam que existem mais mulheres que foram vítimas do predador sexual. No entanto, a ausência de queixas impede que seja reunida prova que ligue o homem a outros casos.

O violador, que é irmão de um advogado de Vila Nova de Gaia, foi detido em Maio, mais de um ano depois dos abusos. Após os crimes, que ocorreram entre 2008 e 2009, o desempregado foi apanhado pela PSP a quem garantiu, no entanto, que tinha imunidade política, pelo que não podia ser detido. Os agentes acabaram por acreditar na versão do violador e não o prenderam. Dias depois, o abusador fugiu para Luanda onde permaneceu escondido durante mais de um ano.

A 17 de Maio deste ano o angolano, que se encontra a aguardar julgamento em prisão domiciliária, decidiu regressar, convencido de que as autoridades já não andavam no seu encalce. Mas, mal o avião aterrou no aeroporto de Lisboa, o homem foi apanhado pelos inspectores da Polícia Judiciária do Porto, que já tinha sido alertada pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

O violador actuava sempre da mesma forma. Aproveita o facto de as vítimas ao saírem do trabalho passarem por zonas de venda de droga no Porto para as abordar e metia-as à força no carro. De seguida, o angolano levava-as para o seu apartamento em Vila Nova de Gaia onde as sujeitava a violentos actos sexuais. As vítimas acabavam sempre por ser abandonadas com diversos ferimentos, o que levou duas delas a serem submetidas a cirurgias.

ABUSADOR LEVOU O DINHEIRO E OS TELEMÓVEIS

Para além das violações, as vítimas ficaram sem pequenas quantias em dinheiro. O predador atacava e exigia-lhes sempre que entregassem todo o dinheiro que tinham e ainda os telemóveis. O intuito seria impedir que as mulheres conseguissem pedir ajuda e evitar que após abandonadas contactassem imediatamente a polícia.

As três vítimas do angolano estiveram várias horas presas no apartamento. O homem levou-as na mala do carro a abandonou-as depois em locais ermos de forma a que não reconhecessem a sua casa.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!