Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Vulcão dos Capelinhos perde cinzas

O Vulcão dos Capelinhos, nos Açores, é um território ameaçado pela rápida erosão, que fez perder, nos últimos 50 anos, dois terços dos 2,4 quilómetros iniciais de cinzas, alertou o vulcanólogo Victor Forjaz.
29 de Agosto de 2007 às 00:00
Vulcão dos Capelinhos
Vulcão dos Capelinhos FOTO: d.r.
O docente da Universidade dos Açores adiantou que, além das condições climatéricas (maresia, chuva e vento), as visitas incontroladas ao local nos últimos anos e a dragagem de areias têm contribuído para acentuar a erosão deste território da extremidade poente da ilha do Faial. “Dos 2,4 quilómetros quadrados iniciais, restam agora 0,56 quilómetros e, se não forem tomadas medidas de protecção, dentro de 15 anos estaremos perante um ilhéu”, afirmou Victor Forjaz, que elaborou uma nova Carta Geológica do Vulcão.
A erupção vulcânica teve início a 27 de Setembro de 1957, na altura a um quilómetro da costa, se transformando depois numa ilha de cinzas e lava, que ficou ligada a terra. O fenómeno só terminou a 24 de Outubro de 1958, deixando um rasto de destruição. Milhares de pessoas foram obrigadas a emigrar para os Estados Unidos.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)